Hiroshi Bogéa On line

Madrugando vagas

O canteiro de obras da construtora Norberto Odebrecht, na periferia de Parauapebas, amanhece tomado por pais de família desempregados. No rosto de cada um, ansiedade e desespero clamando por uma brecha na construção da estrada de 94 km ligando o pátio ferroviário da Vale ao Projeto Salobo.

Por dia, média de 300 pessoas falando a mesma língua: desemprego.

Post de 

2 Comentários

  1. Anonymous

    13 de abril de 2009 - 19:20 - 19:20
    Reply

    É esse tipo de “ser humano” (anônimo,09/4,10:36),que sempre vai ser explorado,não só pela VALE,mas por qualquer outra empresa: O BURRO.Escreveu um texto c/43 palavras e cometeu 03 erros de portugues.E isso aí.

  2. Anonymous

    9 de abril de 2009 - 13:36 - 13:36
    Reply

    É sempre assim na história da explaração do ser humano e da acumulação de riquezas, se tira os meios de produção, e os senhores feudais encastelados ficam a observar a pobresa em volta de suas muralhas. Essa é a Vale que vale miséria.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *