Longa “Pureza” será rodado em Marabá

Publicado em 20 de maio de 2015

Pureza 2

Marabá será set do longa-metragem “Pureza”.

Na apresentação recente do projeto cinematográfico, durante encontro em Marabá realizado pelo Grupo Interinstitucional de Apoio a Erradicação do Trabalho Escravo (Gaete),  o cineasta Renato Barbieri (foto abaixo) confirmou a escolha da cidade, conforme havia antecipado o blog em novembro de 2014.

Pureza

Além de Barbieri, diretor de “Pureza”, estiveram na cidade discutindo o formato do longa,   a equipe do cineasta Luiz Carlos Barreto, responsável por filmes como o “Pagador de Promessas”, “Dona Flor e seus Dois Maridos”, “O Quatrilho”, “O Que é Isso, Companheiro?”, membros do  Grupo Interinstitucional de Apoio a Erradicação do Trabalho Escravo (Gaete), o procurador-geral do Trabalho, Luís Camargo (foto abaixo); coordenador nacional de Erradicação do Trabalho Escravo (Conaete), Jonas Ratier Moreno, e o seu vice Luis Carlos Fabre.

Pureza 2

Jônatas dos Santos Andrade (foto abaixo), titular da 2ª Vara Federal do Trabalho de Marabá,  coordenador e idealizador do Gaete, um dos maiores incentivadores da produção cinematográfica, também presente à reunião, convidou também  o prefeito João Salame para conhecer o projeto cinematográfico.

Pureza 3

O combate ao trabalho escravo contemporâneo ganhará duas importantes divulgações para mostrar para toda a sociedade que essa prática ainda existe no Brasil: o filme e uma série para TV.

O filme contará a história de Dona Pureza, que decidiu procurar o filho Abel após ele sair de casa no Maranhão em busca de trabalho. Na sua jornada descobriu que o filho tinha sido vítima de trabalho.

Chocada com o que encontrou na região Norte do país, denunciou essa prática a três Presidentes da República e nos anos 1997 ganhou um prêmio em Londres de Direitos Humanos.

O filme terá locações em Marabá e Brasília.

A previsão de lançamento é para 2017.

A atriz paraense Dira Paes interpretará “Dona Pureza”.

 

A série de filmes para TV será produzida pelo principal produtor de cinema do país, Luiz Carlos Barreto.

Serão dez histórias sobre trabalho escravo de norte a sul do país. A previsão também de lançamento será para 2017.

Durante reunião, o  Grupo Interinstitucional de Apoio a Erradicação do Trabalho Escravo (Gaete) aprovou  a destinação de recursos para a produção do e de uma série de tevê, que vai retratar esse tema.

 

 

“O combate ao trabalho é eficaz se ocorrer de forma articulada, entre várias entidades públicas e a entidade civil organizada. Por isso, temos que continuar atuando dessa forma e também divulgando para toda a sociedade para que conheça o que é o trabalho escravo e denuncie”, disse o procurador-geral do Trabalho, Luís Camargo, que participou da reunião do Gaete em Marabá.

Para o juiz Jônatas dos Santos Andrade,os projetos audiovisuais vão se somar às outras iniciativas apoiadas pelo grupo. “Já temos projetos de monitoramento de líderes de trabalhadores ameaçados, vítimas de trabalho escravo, prevenção e ações integradas de regaste de cidadania. Agora teremos filmes para somar a nossa luta contra o trabalho escravo”.

Em helicóptero da Polícia Militar, Procurador Geral do Trabalho, o número um do MPT, ao lado de Jônatas Andrade, sobrevoa Marabá e a da região campeã nacional de trabalho escravo,
Em helicóptero da Polícia Militar, Procurador Geral do Trabalho, o número um do MPT, ao lado de Jônatas Andrade, sobrevoa Marabá,  e a  região campeã nacional de trabalho escravo,