Hiroshi Bogéa On line

Limites fronteiriços

A prisão de uma quadrilha assaltante de casas comerciais em Dom Elizeu é uma importante vitória da Delegacia do Interior na execução de planejamento de ações em quatro pontos fronteiriços. Miguel Cunha, delegado do órgão, elaborou uma espécie de cinturão de controle com posicionamento de agentes de inteligência em Itinga (Pará-Maranhão), Palestina, São Geraldo, Pau D’arco e Conceição (Pará-Tocantins) para intimidar vem e vai de organizações criminosas.
Se der certo, pode mudar para melhor os números de assaltos a bancos e a grandes lojas.

Post de 

4 Comentários

  1. Hiroshi Bogéa

    8 de novembro de 2007 - 10:29 - 10:29
    Reply

    Bia, meu beijo.
    É verdade. Você morou muitos anos a 50 metros da casa do pai do Miguel Cunha, Seu Miguel, de saudoso memória, ali no Cabelo Seco.
    Torço pelo sucesso do Diretor de PC de Interior. Ele é um técnico competente e devotamemte sério.
    Abração.

  2. Hiroshi Bogéa

    8 de novembro de 2007 - 10:27 - 10:27
    Reply

    7:26 AM, tenho acompanhado com interesse o desempenho do Miguel Cunha. Sei dos números positivos do trabalho da equipe dele. Vamos torcer para tudo isso resultar brevemente em números reais de calmaria no seio das comunidades.
    Abs

  3. Bia

    7 de novembro de 2007 - 11:41 - 11:41
    Reply

    Bom dia, Hiroshi:

    a acrescentar, apenas o elogio junto ao seu para o delegadomarabaense.

    Na verdade o post me fez relembrar do armazém Carolina e do velho Miguel, pai, quando Miguel e Carolina eram crianças e eu, era a vizinha de esquina. Gostava de ir ao bar conversar com seu Miguel.

    Abração

  4. Anonymous

    7 de novembro de 2007 - 10:26 - 10:26
    Reply

    é a segunda quadrilha, que é presa naquela fronteira, Pará-Maranhão, com o uso da intelig~encia. Os orgãos de Intelig~encia, estão em Marabá, a cerca de 02 meses, e já conseguiram prender mais de 14 bandidos, que atuavam no crime de saidinha a Banco. repare que esse crime, praticamente acabou em Marabá. Trabalho do Diretor do Interior.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *