Hiroshi Bogéa On line

Lembrando Raimundo José

 

 

Sábado, 3, registro de dois anos da morte do jornalista Raimundo José.

Com o saudoso jornalista, o poster manteve poucos contatos, mas sempre de conversas demoradas –  nutridas por boas pautas.

Raimundo gostava de saber detalhes sobre o cotidiano do Sul do Pará.

Trocávamos mais emeios do que conversas diretas.

Tal qual os irmãos Lúcio e Elias, RJ tinha verdadeira paixão pelo Pará.

Bom camarada.

Post de 

2 Comentários

  1. Pintão

    5 de setembro de 2011 - 12:42 - 12:42
    Reply

    Caro Hiroshi,

    Raimundo José era uma grande figura. Gente boa, cordato, e com um enorme óculos daqueles com lentes fundo de garrafa. Seu apelido entre nós, que aliás, ele gostava muito, era Pintão. Por ser, dos Pinto, o mais alto de todos. Foi do Estadão, da Gazeta Mercantil, colaborou com a Província do Pará, fez matérias especiais para a Veja, para a Embrapa e um sem número de grandes publicações em Belém.
    Deu muitos furos nos repórteres em Belém. Cultivava fontes importantíssimas, tanto no Pará como em outros estados.
    Faltou voce relacionar: Luiz Pinto, grande músico do Sol do Meio Dia, cartunista do Jornal Pessoal e artista gráfico.
    Pintão, deve estar aprontando alguma lá onde sua boa alma foi parar.
    Abraços,
    Agenor Garcia

    • Hiroshi Bogéa

      5 de setembro de 2011 - 13:56 - 13:56
      Reply

      Verdade, Garcia. O Luiz, com quem nunca mantive contato, é outra inteligência fecunda desse nosso Pará gostoso, membro valioso da família Pinto, lá de Santarém. Abs

Leave a Reply to Hiroshi Bogéa

Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *