Leão-de-Chácara sem farda

Publicado em 31 de outubro de 2009

Em Brasília, Mário Couto (PSDB) montou seu QG pré-eleitoral de onde arremessa petardos em várias direções na tentativa de viabilizar a candidatura dele ao governo do Estado. Os recursos usados pelo senador tucano para “sensibilizar” senadores e a direção nacional do PSDB obedecem a personalidade truculenta do ex-dono de bancas do Jogo do Bicho. .

Quem conta o modus operandi de Mário Couto é um político do PSDB do Estado do Maranhão, horrorizado com o “estilo escabroso” (expressão da fonte) com que ele peita seus colegas de Senado e membros da Executiva Nacional forçando a barra para ser urgido, em oposição a Simão Jatene.

Numa lanchonete, na cidade de Imperatriz, quinta-feira, 29, o poster tomou conhecimento de lances fratricidas operados pelo ex-bicheiro. Num deles, ao celular com dirigente nacional tucano, além de marcar 30 de outubro (sexta-feira passada) como o último prazo para que o nome do candidato fosse anunciado, Couto ameaçou se desligar da legenda.

Em outras situações, apelou para o lado emotivo dizendo-se “injustiçado” por não ter o reconhecimento do PSDB nacional à atuação acabraiada com que atua na tribuna, fazendo oposição aos governos Lula e Ana Júlia.

Respeitado pela alta cúpula tucana por ser um dos mais antigos políticos da legenda no Maranhão, a fonte do blog não quista fazer nenhum juízo de valor ao desempenho de Mário Couto no Congresso Nacional, e nem sobre o nome do futuro candidato ao governo a ser anunciado brevemente.

Mas também não passou despercebido pelo poster, o entusiasmo com que o político maranhense do PDSB narrou o ultimo encontro de Simão Jatene com a cúpula do partido, há dez dias, em Brasília:

                       

Se pesquisa for o parâmetro para se medir potencialidade de uma candidatura, com sobras de segurança, o Dr. Jatene está bem na foto. Pelo menos foi isso que se discutiu com ele, semana passada.

Considerações gerais

Depois da longa conversa com o político maranhense, quase sempre solicitado pela alta cúpula do PSDB a opinar sobre decisões importante da legenda a nível de política nacional, o blog tira algumas conclusões:

1- Almir Gabriel não está querendo forçar a direção nacional do PSDB a indicá-lo candidato ao governo. Entrou no processo para tumultuar a escolha, forçando à divisão inconciliável entre Jatene e Mário Couto para que, na última hora, surja como um tertius capaz de unir o partido.

2- Até o presente momento, Almir não se apresentou à direção do PSDB como negociador autorizado e nem ofereceu o próprio nome à disputa.

3- Por carregar simbolismos bastante caros à cúpula tucana (ser um dos últimos remanescentes vivos fundador do PSDB, ao lado de José Richa, do Paraná), Almir Gabriel representa a geração de Franco Montoro e Mário Covas cujos ideários ainda servem de sustentação ao partido, em contraponto ao neoliberalismo representados por FHC e Zé Serra. Por esses motivos, a decisão da candidatura será levada numa colcha de cuidados para não ferir suscetibilidades do ex-cacique.

4- Expectativa agora é quanto ao próximo passo de Mário Couto diante de mais um prazo vencido e sem que nenhuma definição tenha sido dada à escolha do candidato ao governo do Pará. Ele vai radicalizar mesmo desligando-se do PSDB?

Há controvérsias e dúvidas tanto quanto existem nas apostas das bancas do Bicho.

Se renunciar à legenda, Couto corre o riso de perder o mandato. O PSDB pode até nem mover palha para prejudicar o mandato do ex-bicheiro, mas na ilharga dele, em Marabá, quem garante a mesma postura do primeiro suplente Demétrius Ribeiro?

5- Como bem ilustra título do livro do empresário feito suplente, “Do Alto do Coco ao Senado”, o sonho de Demétrius é receber uma carteira de senador efetivo. Quem o conhece, sabe que ele jamais perderia a oportunidade de pedir, na justiça, fidelidade ao mandato do titular do cargo.

Como dois e dois são quatro, Demétrius não aceitaria a saída de Mário Couto do PSDB sem que ele provoque uma manifestação do tribunal eleitoral.

6- Finalizando, o blog aposta abertamente que dentro da Executiva Nacional peessedebista já há definição quanto ao nome para representar o partido na disputa pelo Governo do Pará: Simão Jatene.

Para anunciá-la, estão trabalhando o momento.

Qual momento é este, ninguém sabe.