Hiroshi Bogéa On line

Jovens aprendizes entusiasmados

 

Trinta dias após a aula inaugural do Programa Jovem Aprendiz, quarenta alunos dedicados à carga horário dos cursos do programa demonstram total  envolvimento com a atividade de qualificação. Objetivo, para todos, é obter vagas de trabalho nas empresas terceirizadas da Vale, ou na própria mineradora, nos projetos de mineração desenvolvidos aqui em Canaã dos Carajás. 

Educadores do programa ofertado revelam o comprometimento dos alunos depois dos mesmos terem disputado 46 vagas entre 800 candidatos inscritos. “Foi uma concorrência muito grande que os faz até hoje valorizarem a disputa, dedicando-se plenamente à preparação”, diz Regivalda Lemos.

Mariana Maia, 18 anos, revela seu entusiasmo por participar do programa. “O Jovem Aprendiz nos permite acesso a conhecimentos até então desconhecidos. É como se um novo mundo se abrisse à nossa frente, clareando dúvidas e nops deixando mais segura da possibilidade de vencermos como futuras profissionais das empresas que atuam nos projetos de mineração da Vale”, revela.

 “Na minha área, por exemplo, eu disputei dez vagas entre 46 disponíveis. Você há de concordar que sou uma vencedora, por esse fato preciso me dedicar em tempo integral aos cursos que estão ofertados dentro do programa”, exemplifica Maria das Graças Machado, cujos pais migrarão do Estado do Tocantins para aproveitar as oportunidades, no Sul do Pará.

Não menos entusiasmado, representando a ala masculina, Ronaldo Farias de Sá, 19 anos, conta que “fui à luta e consegui meu lugar, agora é saber tirar proveito de tudo o que estão ensinando aqui para que eu possa dizer, amanhã, estar preparado para solicitar um emprego na Vale.

Outro otimista é seu colega Mário de Jesus Leandro, 19 anos: -“ Agora só resta me dedicar para garantir meu espaço no mercado de trabalho.

O mercado está mais exigente, e experiência técnica não é tudo. É preciso
mais consciência e postura“, afirma Cristina Freire, gerente de ensino no Sul
do Pará, sobre a necessidade de cada aluno demonstrar  “postura do profissional
como cidadão consciente de seus direitos e deveres”.

Na avaliação de Cristina, os programas sociais abrem portas de trabalho para os jovens “lhes oportunizando benefícios, como aos seus  famílias”.

Post de 

2 Comentários

  1. francisco

    25 de outubro de 2011 - 09:05 - 9:05
    Reply

    Ola meu nome e francisco,nao passei pelo jovem aprendiz,mas sou um treinni, tenho menos menos de um ano de trabalho, mas posso afirmar para voces que e muito gratificante terminar e ser um profisional qualificado, continuem com esse intusiasmo que voces vao longe garotos.

  2. maristela da silva

    18 de junho de 2011 - 16:37 - 16:37
    Reply

    olá meu nome é maristela,tenho 16 anos e desejaria trabalha na carajas

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *