Hiroshi Bogéa On line

Jornalista Ademir Braz sofre AVC isquêmico

O jornalista Ademir Braz foi levado às pressas para a emergência do Hospital Municipal de Marabá, no final da tarde de segunda-feira, 11, vítima de AVC isquêmico.

Na manhã desta terça-feira, 12, equipe médica que socorreu  Ademir liberou boletim comunicando que o paciente continuará internado em estado de observação nas mesmas dependências do HMM.

No meio da noite de ontem, familiares do jornalista tentavam conseguir leito no Hospital Regional Geraldo Veloso, mas a direção do HMM considera seguro o tratamento dele no local onde se encontra.

O acidente vascular cerebral isquêmico se dá quando há uma obstrução da artéria, impedindo a passagem de oxigênio para as células cerebrais, que morrem – essa condição é chamada de isquemia.

A diferença do AVC isquêmico para o AVC hemorrágico é que o segundo decorre do rompimento de um vaso, e não de seu entupimento.

Para quem não o conhece, o blogueiro registra algumas informações sobre a importância de Ademir Braz para a cultura paraense.

 

Nascido em Marabá, Ademir iniciou-se em Jornalismo na “Província do Pará”, de Belém, em 1972.

É advogado desde 2000, formado na primeira turma do campus da UFPA em sua cidade.

Poeta, publicou uma trilogia poética: “Esta terra” (1981, pela Editora Neo-Gráfica, de Belém, edição pessoal rapidamente esgotada); “Antologia Tocantina” (1998), patrocinada pela Fundação Casa da Cultura de Marabá, e produto de pesquisa de 8 anos sobre a poesia produzida em Marabá desde 1917; “Rebanho de pedras” (2003), dentro do Projeto Usimar Cultural. Em 2003, participou da VII Feira Pan-Amazônica do Livro em Belém, como palestrante e expositor, fazendo o lançamento de seu “Rebanho de pedras”.

 

A seguir, um dos poemas de Ademir Braz que mais toca a alma do blogueiro

————

Quando saem os tigres

 

Mal frequento esta casa

em que os frutos apodrecem sobre a mesa.

No entanto, trouxe flores – duas,

que fizeram bem aos olhos na rua

e deram essa ilusão de ter quem recebê-las.

(Quando puder consumir-me, talvez a casa

não será imensa nem a solitude tanta

nem no espelho brotarão gerúndios).

Trouxe também n’alma a vaga sede

dos pântanos e no coração um sobressalto.

Enquanto ponho n’água as flores soturnas

penso que os astros aconselham um largo

passeio (sozinho) pelos lugares que você

gosta e penso nos lugares que gostaria

e não os acho em meio a esta enorme sedução.

Quem estará hoje nas ruas?

Os loucos e os distraídos… E eu, sairei?

 

Sim, sairei… Talvez eu siga existindo por uma rua

que me faça lembrar dos acenos

que chamam a aurora sem degredos

a tessitura da pedra sob o orvalho

a enegrecida substância do poema.

—————-

Daqui, torcemos pela rápida recuperação do nosso poeta-maior.

Post de 

2 Comentários

  1. Ronaldo Giusti

    13 de setembro de 2017 - 07:46 - 7:46
    Reply

    Pagão é, sem dúvida, nosso maior poeta. Só encontra paralelo em Frederico Morbach, cuja obra ainda é graficamente inédita.

  2. Rolando Peña Vega

    13 de setembro de 2017 - 07:07 - 7:07
    Reply

    Melhorar para esse escritor e poeta,de tardezinha sinfônica de uma cervejinha bem gelada olhando ao distante por do sol nas praias do Tucunaré no mais velho Tocantins.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *