Irresponsabilidade do prefeito da Palestina do Pará faz governo suspender custeio da Ambulância Odontológica

Cláudio Robertino (PSDB), prefeito do município de Palestina do Pará, 90 Km distante de Marabá, tem provado a cada dia sua incapacidade para resolver os problemas graves que afligem a população.

Principalmente na área de Saúde, o moço desperdiça recursos e não encara as demandas que aparecem e nem mesmo as mais antigas.

A cada momento, ele desponta como um dirigente que não corresponde às expectativas daqueles que o elegeram.

Outra denuncia contra Robertino (foto) está mobilizando a opinião dos moradores de Palestina.

A Unidade Móvel Odontológica do município está paralisada por não  receber custeio federal  rem face da incapacidade administrativa do poder executivo municipal.

O problema já vem se agravando há meses.

Ou seja, sem custeio federal, devido a demandas técnicas da secretaria de Saúde do município até agora não solucionadas,  a população sofre a falta de assistência no atendimento à saúde bucal dos mais carentes.

Principalmente vilas e distritos que compõem a zona rural da Palestina, não sabem o que é a presença da Unidade Móvel Odontológica.

A denúncia chega até ao blog através de uma comissão de moradores que esteve na Redação acusando a ineficácia administrativa do prefeito.

No início da tarde desta sexta-feira, depois de receber a comissão de moradores, o blogueiro telefonou para o vereador Sezostrys da Saúde, que confirmou a origem da denúncia.

“Realmente, é verdade o que os moradores estão denunciando a vocês aí do blog. Assim como outros serviços de saúde da rede municipal estão de forma irregular e perdendo custeio federal, a UOM  (Unidade Odontológica) também está sem custeio. É lamentável uma vez que a população da Palestina é mito carente, necessita desse atendimento. A UOM é muito importante para levar atendimento de saúde bucal nas comunidades onde não tem Posto de Saúde com consultório odontológico”, disse o vereador.

Segundo Sezostrys, as localidades  do Açaizal, Conspel,  Rio Mar, Posto Fiscal, Assentamento Angical,  Viração, Embaubal e Varjão, em consequência  da paralisação da unidade, poderiam estar sendo beneficiadas ao menos com um atendimento por mês.

“Lamentavelmente, a van que atende como unidade de saúde bucal, não está atendendo aos eu objetivo”, finalizou o vereador.

O valor  de custeio mensal suspenso pelo Ministério da Saúde é da ordem de  R$ 4.680,00.