Irmãs Cajazeiras

Publicado em 30 de maio de 2007

Antes de escrever este post, mantive contatos com dois amigos residentes em Redenção para me certificar da denuncia de Edinilton. A campanha de “evangelização” dos falsos moralistas ganha a cada dia mais adeptos e as três casas igualmente são o que de melhor existe: confortáveis, com alvará de funcionamento e fiscalização constante das autoridades contra a prostituição infantil – “a pedido das proprietárias”, adiantam as fontes.
Um fim do mundo, meu Deus. Quanta indecência e pouca vergonha!!! Dá-me vinho e exclamações, velho Nelson Rodrigues, que a vida é nada.
Senhores das ligas evangélicas de todas as plagas, essas garotas exercem numa cidade estressante e sem atrativos naturais, importante papel social. Dêem-lhes medalhas e homenagens pelos serviços prestados à comuna!
Santo Agostinho que o diga. Ele via nas prostitutas as salvadoras de muitos casamentos, o que constituía uma vantagem até para os preceitos mais conservadores das igrejas em geral.
Resgatando Oswald de Andrade, renomado freqüentador dos lupanares, as trabalhadoras do sexo são verdadeiras agentes de saúde pública.
Vai fundo, Edinilton!