Intrusos poetas

O blogger quer compartilhar com vocês a leitura da comunidade Verso & Prosa, lotadinha de poesias, contos e crônicas maravilhosos. Um de seus talentos é a poetisa Janaina Amado, que acaba de postar “Intruso”:

Quando eu me desespero de chorar, ela chega.
O meu país do leite nasce no bico do seio dela. Corredeiras de leite deslizam suavemente, sem parar, e me envolvem, me abraçam, me acalentam, me afagam, me dão as boas vindas ao mundo. Às vezes mergulho, enfiando a cabeça aqui, emergindo lá adiante, em leite banhado. Felicidade solar. Eu me entrego nu às correntezas que me entram pela boca, perninhas pra cima, brincando com os pés soltos no ar, sorridente.
Os seios dela me nutrem, me limpam, amparam, ungem. Como todo recém-nascido, sou cego. Minha boca, nariz, ouvidos, minhas duas mãozinhas e meu coração desprotegido vão aos poucos desvendando universos. Tateio nervuras, sinto calores, ouço ploc! bin chup chup inch cloc. Cheiro talco, alecrim – cheiros dela ou de mim?
Descubro carocinhos de arrepio, me inebrio nos seus vales, invado temperaturas, as gotinhas de suor que brotam da pele dela umedecem também a minha pele, luz, a textura e o sabor inconfundíveis do leite e aquelas duas magníficas alturas que terminam em picos dentro da minha boca.
O mundo dos seios dela. O mundo nos seios dela.

Pronto!

Se quiserem o texto em sua integridade, clica aqui.