Hiroshi Bogéa On line

Impostos aos abastardos

“Tem gente que diz que, no meu país, a carga tributária é apenas 9%, 10%. Quem tem carga tributária de 10% não tem Estado. O Estado não pode fazer absolutamente nada. Está aí cheio de exemplos para a gente ver, para a gente perceber que exatamente os Estados que têm as melhores políticas sociais são os que têm a carga tributária mais elevada. Basta ver os Estados Unidos, a Alemanha, França, Suécia e Dinamarca”. (Lula, em discurso na abertira do 33º Encontro do Período de Sessões da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe – Cepal)

Certíssimo, o presidente.

Os americanos, como exemplo, berço do neoliberalismo e economia do lucro pelo lucro, gabam-se por ter carga tributária ´civilizada´. Resultado: o Estado, por atuar veladamente, teve hoje que rever seus princípios na área da saúde com a reforma do setor proposto por Obama.

Quem reclama das altas taxas de impostos é gente do setor produtivo acostumada a sonegar e achar que o governo tem que fazer tudo… que não prejudique o lucro.

Essa política, ao longo dos anos, gestou um país de pessoas famintas e maltratadas selvagemente.

Lula está mudando essa rota.

E a continuará a mudar com a eleição de Dilma Roussef.

Assinadoe embaixo.

Post de 

2 Comentários

  1. Anonymous

    3 de junho de 2010 - 14:13 - 14:13
    Reply

    O Presidente ainda goza da nossa cara…bonito!

  2. Anonymous

    2 de junho de 2010 - 14:01 - 14:01
    Reply

    Eu não sou do setor produtivo e reclamo do imposto de 27,5%, reclamo da cascata que impostos que pago ao comprar um produto, reclamo por ter que pagar duas vezes o mesmo imposto. E devido a essa quantidade de impostos que pago, acho que o Governo deve fazer tudo sim. Se o Governo fizesse pelo menos metade do que deveria fazer eu não reclamaria por ter que pagar esse absurdo de impostos. A diferença entre os Estados Unidos, a Alemanha, França, Suécia e Dinamarca está na estrutura e na qualidade de vida. Ou nós pelo menos estamos próximos deles nesse quesito?

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *