Habemus Papa, Pastor, Curandeiro…! O sincretismo religioso no palco do Centenário de Marabá

Publicado em 13 de março de 2013

 

 

Postando em murais de seus facebook (são três perfis lotados, e um quarto em acumulação de amizades, com mais de 17 mil seguidores), o prefeito de Marabá fez esclarecimento definitivo sobre a programação de shows do Centenário de Marabá, na tentativa de reduzir pressões de religiosos pedindo a contratação de cantores que atendam seus gostos musicais.

De cara, fica explícito, com o post de João Salame, que o empresariado local é quem está arcando os investimentos das contratações, considerando as condições financeiras atuais da prefeitura.

Como os evangélicos bateram pé  exigindo artista gospel, agora quem faz pressão são os católicos.

Diante do caldeirão em efervescência, o  poster acaba de sugerir ao secretário de Cultura, Cláudio Feitosa, a busca de algum empresário kardecista para tentar sensibilizá-lo a contratar cantor consagrado na área espírita.

Da mesma forma, para não perder o embalo, aconselhou o secretário a localizar comerciante ligado  a religião derivada do animismo africano – em outras palavras, candomblé – para trazer, também, seu astro preferido, destinando palco para este  cultuar – ao som de atabaques e tambores -,   os orixás, voduns e nkisis.

Há informações, não confirmadas, de que Feitosa estaria tentando contato com Chico Xavier, através de mensagens psicografadas.

Embora o parágrafo acima tenha sentido irônico, só assim para lamentar a destinação que algumas pessoas estão querendo dar a  uma programação de caráter comemorativo do Centenário do Município, exclusivamente  elaborada para o entretenimento e o exercício cultural.

Lamentável.

A seguir, esclarecimento do prefeito de Marabá extraído do face:

 

——————–

 

 

Muitas pessoas tem me ligado ou postado no face reclamações pela falta de cantores católicos na programação do aniversário de Marabá. Antes muitas pessoas reclamavam que não tinha cantores evangélicos na programação. Depois que foi divulgado que o André Valadão virá, agora os católicos reclamam.
Na realidade a prefeitura não tem dinheiro para bancar os shows que estamos trazendo. São empresários que estão patrocinando. Pelo simples fato de que temos que priorizar o pagamento dos salários atrasados dos servidores, colocar para funcionar o Centro Cirúrgico do Hospital Municipal, reformar e construir escolas, garantir a merenda escolar, limpar a cidade e recuperar as ruas que estão intrafegáveis.
Depois que divulgamos que Zeca Baleeiro, Zeca Pagodinho, Lya Soares, Cesar Menotti e Fabiano e Djavan viriam, patrocinados pelas empresas locais, um empresário evangélico nos procurou e decidiu pagar a contratação dos cantores André Valadão e Mila Carvalho. Também acho que deveríamos ter um cantor católico. Estamos esperando que os empresários católicos, que são em número muito maiores que os evangélicos em Marabá, também façam a sua contribuição. Estou fazendo contato com alguns deles e quem tiver condições de contactar algum empresário que o faça. Mas não posso abrir mão de pedir a contribuição dos empresários, que ganharam dinheiro e se consolidaram nesses cem anos de Marabá. Chegou a hora deles homenagearem a cidade que lhes deu o que possuem. Afinal não é todo dia que comemoramos cem anos!