Guerra à vista

Publicado em 26 de janeiro de 2008

Consumada essa disputa jurídica patrocinada pela prefeitura de Parauaebas, estará definitivamente declarada guerra a Marabá. A avaliação foi feita por importante assessor de Tião Miranda e dois empresários ouvidos agora a pouco.

A partir da gestão de Darci Lermen, as escaramuças por delimitação de poder na região ficaram bastante delineadas. Sempre com o prefeito do vizinho município à frente.

Com a posse de Ana Julia, o prefeito de Parauapebas, dizem as fontes, passou a adotar postura de “líder natural” das iniciativas político-administrativas na região, apadrinhando pleitos de colegas e cabalando a migração dos grandes investimentos para seu território.

Começou com a tentativa de tentar esvaziar o Distrito Industrial de Marabá apressando-se em instalar um DI no Pebas. Com muita pompa, lançou a pedra fundamental do empreendimento, concedendo inclusive licença para as primeiras empresas ali se instalarem, sem cuidar primeiramente de realizar audiências públicas para obtenção do EIA-Rima.

A batalha pela implantação do DI continua a todo vapor, não obstante o desrespeito às normas básicas da legislação ambiental. E com os avais do Ibama e Sema, que não se atreveram, até agora, colocar a colher na questão.

Ao ser eleito presidente da Amat, Darci Lermen pousou de primeiro-ministro do Governo Estadual no Sul do Pará. Conseguiu a proeza de afundar ainda mais a associação que mais poder amealhou no Estado, em temos não muito distantes.

Atualmente, a Associação dos Municípios do Araguaia-Tocantins é uma pálida instituição a oferecer exatamente nada aos prefeitos associados.

Definha a cada dia.

As conseqüências dessa disputa megalomaníaca de Darci Lermen são estimadas.

Como ele, o prefeito, não tem jogo de cintura para agregar forças políticas representativas ao seu entorno, corre o sério risco de expor Parauaebas numa guerra de proporções perigosas e criar um batalhão de cabeças pensantes unidas todas contra os interesses do município.

Em Marabá, uma elite bem articulada, que despertada para o jogo de poder exercitado por Darci, começa a se mobilizar.

Daqui a pouco, pelo menos dezenas de municípios estarão seguindo os ventos soprados a partir de Marabá.