Hiroshi Bogéa On line

Greve bancária começa nesta terça

 

 

Quem depende das agências bancárias para tocar seus negócios diários, prepare-se.

Nesta terça-feira, 27, funcionários das agências bancárias do Pará cruzarão os braços, atendendo chamamento da greve nacional deflagrada.

Movimento é por tempo indeterminado.
A orientação do Sindicato e do Comando Nacional para rejeitar a proposta rebaixada de índice da Fenaban foi atendida pelos bancários paraenses, que se demonstraram dispostos a construir uma greve forte e vitoriosa.
A Fenaban propõe reajuste de apenas 7,8% sobre os salários, PLR e demais verbas (vale-refeição, cesta-alimentação e auxílio creche/baba, dentre outras). Esse índice representa somente 0,37% de aumento real. Na reunião de sexta-feira a proposta da Fenaban foi de 8% o que também não contempla o anseio da categoria.
Post de 

4 Comentários

  1. Karla Maues

    27 de setembro de 2011 - 11:21 - 11:21
    Reply

    Toda a população vai sofrer mais uma vez.
    Imagine depender das casas lotericas, alvo certo de ladrões , para pagar suas contas?
    Mas além das casas lotéricas, temos os caixas eletrônicos, e a internet.
    É so ficar esperto que dá pra aguentar um tempo!
    Pior mesmo são as greves nas escolas e nos hospitais porque NÃo tem quem substituia os professores e os medicos e pessoal tecnico. Ai é covardia viu!. Os alunos que já não são lá muito estudiosos, depois da greve, até pegar pressão de novo…é dificil e o ano fica irremediavelmente perdido e os alunos vao “ser passados” e vão acumular problemas de aprendizagem la na frente. No caso da greve dos medicos….piorou! O pobre do doente morre e ” morreu ta morrido” nao tem volta! Se for um desconhecido, tudo bem…nem lembramos do caso daqui ha uma hora. Mas vai que aconteça na tua casa? Ai vamos pedir justiça, reclamar do governador, botar a culpa em Belem…
    Mas o bancarios estão certos sim. Aliás, certisssimos! Os banqueiros nunca foram tão beneficiados como foram ate hoje pelo governo petista. Dá so uma olhada nos lucros dessa turma.. So perde pra Vale mesmo.
    Então se nós fossesmo politizados e unidos, nós deveriamos era estar junto com os bancários para exigir a diminuição de preço das tarifas bancárias , contratação de mais funcionários com ajuda de custo para aqueles que estão servindo fora de seu domicilio; agencias com mais segurança,etc..
    Tem que dividir essses lucros ora! O banqueiros pegaram a manhã dos politicos que só querem tudo pra eles…mas assim!!!.

  2. leonardo

    27 de setembro de 2011 - 06:57 - 6:57
    Reply

    Hiroshi sou de Ananindeua leitor assiduo de seu blog, sabado passado presenciei uma cena hilaria, aconteceu no hotel beira rio em Belem o 2º congresso da UGT(uniao geral dos trabalhadores ) o presidente Ze francisco deu oportunidade para os defensores do estado do Tapajos, Carajás e para os que querem o Pará unido defender suas posições.
    Quando chegou a vez do defensor do estado do carajás, o povo da platéia gritava voces nao consegue tirar o técnico do aguia imagina dividir o estado… kkkkkk a risada foi geral ai o Marabaense coitado todo sem jeito disse ele nao sai porque ele é concursado kkkkk. Abraços.

  3. Marcos

    26 de setembro de 2011 - 21:36 - 21:36
    Reply

    Concordo em parte com os bancários. Eles tem o direito de reinvidicar aumentos pois os Bancos são os que mais lucram nesse País. Lucros tão altos que com facilidade pagam o aumento exigido pelos bancários.

    O que não acho correto é que os tais grevistas impedem agências que querem operar de funcionar e não deixam pelo menos 30% do serviço funcionando.. ai já perdem toda sua razão.

    Pra mim são que nem MST!

  4. HEIDIANY KATRINE

    26 de setembro de 2011 - 17:45 - 17:45
    Reply

    Valeu Hiroshi pelo apoio, a luta inicia amanhã, pedimos a compreensão da população, pois nossas reivindicações não atendem somente os bancários, mas aos usuários e clientes do banco também, todos são beneficiados.

    Heidiany Katrine Moreno
    diretora do sindicatos dos bancários do pará/Marabá

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *