Governo do estado acompanha as obras de mina de níquel em Conceição do Araguaia

Consolidando o título de maior Estado produtor de minério do País, o Pará acaba de ganhar um novo e importante investimento do setor minerário. Na última quarta-feira (18), a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme) participou do evento que marcou o início das obras do Projeto Araguaia, uma mina de níquel localizada no município de Conceição do Araguaia, no sudeste do Estado, desenvolvida pela empresa Horizonte Minerals.

O evento foi prestigiado pelo secretário adjunto da Sedeme, Carlos Ledo, e pela Diretora de Geologia, Mineração e Transformação Mineral da Secretaria, Poliana Gualberto, e também contou com a presença do CEO da Horizonte Minerals, Jeremy Martin, além de outros representantes da empresa, autoridades e fornecedores.

Em atividade há mais de 10 anos em Conceição do Araguaia, com o novo empreendimento, a empresa agora realizará o maior investimento em níquel do país, com previsão de gerar mais de 3 mil empregos e 500 postos de trabalho na fase operacional.

Segundo a Horizonte Minerals, 14,5 mil toneladas de níquel serão produzidas por ano na primeira etapa do projeto, tendo potencial para ampliar o montante ao longo dos anos, além de gerar fluxos de caixa livres pós-tributos de US$ 2,4 bilhões com preço de USS 16,4 mil por tonelada. No total 633 milhões foram captados para o empreendimento que está em fase de terraplanagem, com previsão de conclusão das obras para o final de 2023.

A empresa também divulgou que executará na mina o método de mineração a céu aberto, transportando o minério para uma planta de processamento e transformando-o em liga de ferroníquel. A empresa também informou que usará a tecnologia de calcinador rotativo e forno elétrico (RKEF), em operação em mais de 40 minas em todo o mundo e que responde por uma parcela significativa do níquel produzido anualmente.

O Brasil detém, atualmente, a terceira maior reserva de níquel do mundo e potencial de novas descobertas para atender um mercado já aquecido por conta do uso do níquel na produção de aço inoxidável e na fabricação de baterias para carros e energia solar.

Segundo Carlos Ledo, secretário adjunto da Sedeme, o projeto chega para reafirmar o protagonismo do Pará no setor mineral no país. “Ficamos felizes em ver um projeto dessa magnitude chegando ao Pará porque isso significa que teremos mais emprego, renda e dinamização do ambiente econômico aqui no Estado. Enquanto representantes da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado, não poderíamos deixar de prestigiar este momento que marca o início das obras da mina, pois sem dúvida trata-se de um projeto fundamental para o nosso Estado”, informou.

Além da construção do Projeto Araguaia, a Horizonte Minerals também está avançando no estudo de viabilidade do Projeto Vermelho, que produzirá aproximadamente 15.000 toneladas de níquel e 600 toneladas de cobalto – na primeira fase de desenvolvimento -, para abastecer o mercado de baterias de veículos elétricos.

O perfil combinado de produção da Horizonte Minerals, que durante a próxima década poderá produzir mais de 50.000 toneladas de níquel por ano, posiciona a empresa como um produtor globalmente significativo, desenvolvendo um novo distrito de níquel do Brasil no território paraense. (AgênciaPará)