Hiroshi Bogéa On line

Solução de Giovanni para conflitos fundiários: “dar-lhe um cacete, bota em cima de um caminhão e manda devolver”

 

Deputado Giovanni Queiroz (PDT)  tem uma solução bastante exótica, e primitiva, para os conflitos agrários, no Estado do Pará.

Quem informa é a Revista Fórum:

 

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados resolveu realizar uma audiência pública, na última quarta-feira (11), para “Debater as crescentes demarcações de terras indígenas no país”. Às 13h14, o deputado Giovanni Queiroz (PDT-PA) pediu a palavra e explicou como aconselha os fazendeiros de sua região a lidarem com os conflitos fundiários. “O primeiro que reclamar, dá-lhe um cacete, bota em cima de um caminhão e manda devolver.”

Queiroz, falando ao lado da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), convidada a participar da audiência, explicou que no Pará já houve um leilão, similar ao realizado por pecuaristas do Mato Grosso do Sul no último sábado, “para juntar dinheiro e contratar advogado para tirar invasores de terra”.

Porém, segundo o deputado, o “problema” não foi resolvido e a estratégia foi diversificada. “Ninguém mais gasta dinheiro com advogado. Entrou hoje, sai na madrugada do dia seguinte, sai debaixo de cacete”, afirmou Queiroz, provocando aplausos da plateia. De acordo com o parlamentar, desde que a “nova tática” foi adotada, a questão fundiária se “resolveu” no Pará. “Eu não ouço falar de invasão de terra de um ano para cá.”

Em sua fala, na audiência, o deputado contou a história de um fazendeiro que o procurou pedindo um conselho, pois a sua propriedade havia sido ocupada por 40 trabalhadores sem terra. “Você quer um conselho para resolver? Contrata uma empresa de segurança. Tem que ser regular, bonitinho, não é contratar pistoleiro não. Bota dentro de um ônibus. Quantos invadiram? 40? Leva 60 ou 80. O primeiro que reclamar, dá-lhe um cacete, bota em cima de um caminhão e manda devolver.”

Por fim, Queiroz afirmou que “às vezes tem alguns excessos, natural que haja, tem gente resistindo.”

Post de 

13 Comentários

  1. Luis Sergio Anders Cavalcante

    23 de dezembro de 2013 - 14:48 - 14:48
    Reply

    Hiro e amigos comentaristas, nem tanto à terra e nem tanto à agua. Ambas as partes envolvidas cometem excessos. O discurso colonialista do Dep. Giovanni realmente é preocupante. Aliás, hoje, para se manter e fazer produzir gado de corte não está muito fácil, considerando ainda, a desvalorização das imensas áreas necessarias para tal. O avanço do agro-negocio, principalmente com a soja, vem tomando corpo rapidamente em detrimento da pecuaria de corte/leite. No frigir dos ovos, não entendo, ainda, a ganancia por enormes extensões de terra, pois ao falecer, o “fazendeiro” leva no máximo uns sete palmos de terra sobre sí. Em 23.12.13, Mba.-PA.

  2. Ilka Barros Lima

    19 de dezembro de 2013 - 20:22 - 20:22
    Reply

    Olha bem! pra vc vai vota no ano que vem
    político que tem esse tipo de pensamento
    não deveria pedir voto ao cidadão marabaense
    já que marabá e mas de 70% de invasão

  3. Chaguinha

    18 de dezembro de 2013 - 14:07 - 14:07
    Reply

    Brigas por terra, são coisas que exite desde o começo do mundo, infelizmente alguns tem muito e não sabem desfrutar, outros sabem o que fazer mas não tem…,nem onde, nem como, e em meio toda essa bagunça ainda existe aqueles que querem se dar bem com a desgraça dos outros, ora pessoal ! quem nasceu pra isso foi coveiro e dono de funerária. Não sou de acordo invasões de terras de ninguém, depredações e muitas outras coisas que esses invasores sabem fazer, mas por outro lado não sou a favor daqueles que tem tanto e não fazem nada…,só destroem. O deputado Geovane foi infeliz nas suas colocações, eu acho, porque se a violência resolvesse alguma coisa…, a morte de 19 sem terra na curva do S, não seria uma página negra escrita na nossa história.

  4. Hrands Dias Torres

    18 de dezembro de 2013 - 09:01 - 9:01
    Reply

    Cara já ouvi tanta coisa sobre O movimento SMT Que até mesmo O povo do PT falaram e se hoje For Levar ao Pé da Letra tudo que ironizamos seriamos Culpado de Muitas Frases irônicas que fazemos com um pensamento reservado ai outras pessoas ussa como quer, Já muita Tolice escrita nesses Blogs, Até Pesquisas Feita em Tabela do excel Para favorecer Safados Corruptos Tá cheio de Pessoas Desocupadas que ficam na internet Buscando Algo para Favorecer a si mesmo! se sacudir um pouco aqui podemos ver isso bem rápido… Não estou defendendo e logo eu que não suporto PDT MARABÁ pelas Mentiras prestadas pelos seus Representantes nessa Cidade, A Opinião dele como Politico Foi Desumana, Mais quero que você Blogueiro Descreva como é usado a Força Para desocupar essas fazendas e terras com seus legais donos de Facção Politica. Aguardo sua Resposta…! “Print Screen”

  5. Frederico Sanção

    18 de dezembro de 2013 - 07:28 - 7:28
    Reply

    Eu apoio a opinião de Giovane Queiroz. As pessoas estão achando muito fácil fazer reforma agrária em cima de terra particular. Onde fica o direito do proprietario da terra? Será que se esses que são a favor de invasões teriam a mesma opinião se fossem os proprietarios? O que não queremos pra nós, não podemos querer para o próximo.

  6. Robert

    17 de dezembro de 2013 - 16:50 - 16:50
    Reply

    Essa é a justiça social dos separatistas, em quantas pessoas este “senhor” já deve ter mandado dar uns “cacetes”? Essa é a típica política do coronelismo que querem implementar criando-se novos Estados. Giovanni Queiroz quer ser o novo Sarney, mas por esses e outros inúmeros motivos é que eu sempre votarei pela não criação de estados, Estado de Carajás nunca irá existir.

  7. Luiz

    17 de dezembro de 2013 - 11:04 - 11:04
    Reply

    Sou da mesma opinião do Giovanni! Esse bando de criminosos que ficam invadindo terras merece cassete mesmo, se invadir uma terra minha eu mando fogo em quem estiver lá, não importa quem for, taco o sarrafo nesses pilantras.

  8. apinajé

    17 de dezembro de 2013 - 11:02 - 11:02
    Reply

    é amigos,infelizmente tenho que concordar com o deputado,em um país onde estão sendo dilapidados todos os direitos dos cidadãos de bem,onde todo “zé ruela”se acha no direito de invadir o bem alheio, com uma justiça no mínimo complacente,tenho que concordar mesmo,agora quem puder mais,chora menos…me parece que estamos voltando o tempo da barbárie,sendo assim é a lei do mais forte.
    dando um pitaco no comentário do chagas filho,o que você chama de “mega encontro de jovens”aqui nós chamamos de arrastão promovido por um bando de “muleque” delinquente …a polícia agiu certinho,viver em sociedade exige deveres e direito,exatamente nessa ordem.
    um abraço

  9. Anonimo

    17 de dezembro de 2013 - 10:54 - 10:54
    Reply

    Lá na Vila São José na area do CAT -Fata- O pessoal disseram que não ia derrubar nada, segundo a safada da india, mas quando é pela noite é fumaça pra todo lado… Hiroshi estão queimando tudo, o unico pedacinho de mata que tem preservado proximo a Marabá… Acho isso uma desgraça e esse pessoal da SEMMA FALIDA não fazem nada…. Pelo amor de Deus… Alô MP façam alguma coisa.. IBAMA … A coisa ta feia!

  10. Chagas Filho

    17 de dezembro de 2013 - 08:31 - 8:31
    Reply

    Espero que não seja verdade isso, mas se fora, é o tipo da coisa que não dá nem pra comentar de tão absurda que é essa declaração; uma lástima, uma desgraça; e em São Paulo, prenderam três jovens porque marcaram um mega-encontro num shopping da cidade, via facebook. Dizem que estavam incitando a violência. E essa declaração aí? O que é?

  11. Ezequias

    17 de dezembro de 2013 - 08:24 - 8:24
    Reply

    Olha só quem diria .Esse aí não é o salvador do estado de carajás .mais quando faz campanha pró divisão ele é mais Light. .. políticos profissionais agem assim…..

  12. morador de são félix

    16 de dezembro de 2013 - 20:54 - 20:54
    Reply

    O que mais preocupa não é nem o discurso atrasado e colonial do Giovanni. o que me preocupa é que esses discursos tem muita ressonância e ganha corações e mentes no Brasil e no Pará.

  13. Josue

    16 de dezembro de 2013 - 17:56 - 17:56
    Reply

    Ele tá certo mesmo, esse invasores são muito é oportunistas, invadem, destroem e depois vendem a terra. Tem que descer o cacete mesmo!!!!!

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *