Garimpos proliferam sob omissão da Sema

Publicado em 8 de janeiro de 2013

 

 

 

A Secretaria de Meio Ambiente do Pará – Sema, está fazendo vista grossa com os diversos garimpos ilegais espalhados na região da Calha Norte, Oeste do Pará, que operam normalmente na extração de ouro e ametista,  espalhados nos municípios de Almeirim, Monte Alegre e Alenquer.

A anarquia reina sob o beneplácito da Sema.

Naquela região, garimpos surgidos a cada dia  provocam  grandes impactos ambientais. Pior: a Sema tem conhecimento dos fatos e não toma qualquer tipo de providência, talvez pela dificuldade de acesso aos locais remotos em meio à selva da flota Paru e a reserva Grão Pará.

Os garimpos se concentram em sua maioria, nos rios Maicuru, Paru e Curuá, com produção em larga escala apoiada por  maquinários pesados  adquiridos pelos donos da extração.

A exploração de ouro é feita sem qualquer preocupação com o meio ambiente (foto) , atingindo o leito dos rios, formando ilhas de areia, derrubando  as margens.

Cenário de total devastação e e poluição com elementos químicos e lixos tóxicos.

 

Garimpagem