Hiroshi Bogéa On line

Frente Parlamentar pró Carajás e Tapajós

 

Dia 21 de julho, no Hilton Hotel, em Belém, lançamento das Frentes Parlamentares pela Criação dos Estados de Carajás e Tapajós. Na programação, café da manhã oferecido aos jornalistas da Região Metropolitana e a oficialização da frente integrada por deputados federais e estaduais envolvidos na luta.

Às 14 hs, a Frente Parlamentar será oficializada em Santarém.

À noite, a partir das 20 horas, em Marabá.

Duda Mendonça deverá participar dos três encontros.

————————–

Atualização às 17:30

Coordenadores do movimento pela criação dos Estados de Carajás e Tapajós enviam nova programação alusiva ao lançamento das Frentes Parlamentares pela Criação dos Estados de Carajás e Tapajós:

21 de julho (Belém)- Café da Manhã no Hotel Hilton,  8 horas, com membros da Frente Pró Carajás e Tapajós, além de encontro do publicitário Duda Mendonça com membros da imprensa;

Visita órgãos de imprensa de Belém;

Jantar com deputados federais e estaduais que comporão a Frente Pró Carajás e Tapajós;

21 de julho (Santarém) –  14 horas, apresentação de peças da campanha pelo publicitário Duda Mendonça em local a ser definido.

 

21 de julho (Marabá) – 20 horas, apresentação de peças da campanha pelo publicitário Duda Mendonça, na Câmara Municipal de Marabá; e reunião com os membros da Frente.

Post de 

12 Comentários

  1. Sérgio Pombo

    22 de setembro de 2011 - 13:03 - 13:03
    Reply

    É compeensível o interesse das famílias Maiorana e Barbalho em se unirem contra as propostas de emancipação de Tapajós e Carajás, pois o Governo do Estado é o maior anunciante dos veículos de comunicação das duas famílias e elas não poderão em mome próprio criar outros jornais nos novos Estados para continuarem arrecadando com anúncios e editais.
    Na família Barbalho existe tambem o agravante da perda de poder político pois a bancada de deputados federais e estaduais do Pará remanescente será reduzida à quase metade, representando perda de poder para o maior cacique regional na Câmara federal.

    Porém, eu, que sou apenas um belemense papa xibé há 5 gerações, não sou SENHOR DE ENGENHO nem CAFETÃO pra viver ESCRAVIZANDO ou EXPLORANDO os brasileiros que moram em Carajás e Tapajós VOTO PELO SIM, com toda a força e fé no futuro que virá com mais desenvolvimento, emprego, renda, saúde, segurança, transportes, serviços públicos e padrão de vida para todas as regiões que hoje compõem o Pará.

  2. Sérgio Pombo

    20 de setembro de 2011 - 11:13 - 11:13
    Reply

    O Pacto Federativo prevê a distribuição de 85 do FPE para estados do Norte, Nordeste e C. Oeste, e o quinhão devido à região do hoje estado do Pará, que hoje recebe aproximadamente 2,6 Bilhões, terá um acrescimo de quase 2 bilhões com a emancipação dos estados de Carajás e Tapajós.
    Ainda, é bom lembrar, que a lei que instituiu o FPE nos moldes que ela é hoje sofreu declaração de inconstitucionalidade no STF, por ação de estados do Sudeste e Sul que recebem apenas 15% como forma de desconcentrar o desenvolvimento dessas regiões. E, por decisão do Supremo, a lei deverá ser revista até 31/12/2012, sendo muito interessante que tenhamos àquela época maior representatividade política para defender os interesses da Região.

    Quem ama liberta! Quem ama deixa crescer! Essa é a opinião de um papa xibé há 5 gerações, que mora em Belém e continuará morando. Mas deseja o desenvolvimento da Região para suas futuras gerações.

  3. Eldo José Ribeiro

    19 de julho de 2011 - 21:12 - 21:12
    Reply

    Com o coração cheio de amor, solicito às pessoas que são contra a criação dos estados do Carajás e Tapajós, que reflitam um pouco mais sobre as reais coisas que acontecerão depois da criação. Vejam os exemplos de Goiás e Mato Grosso que dismembraram Tocantins e Mato Grosso do Sul. Ambos ganharam em todos os aspectos. Todos cresceram com o desmembramento.
    Vamos ser a favor ou contra com total conhecimento de causa.
    Nunca devemos dar opinião apenas por achar.
    Obrigado. Eu voto sim! Eu estudei sobre a causa.
    Abraços.

  4. Lucileno Cavalcante

    15 de julho de 2011 - 10:42 - 10:42
    Reply

    Carajaense e demais amigos, também estou indignado com a Campanha que os meios de comunicação da capital estão fazendo contra a criação do estado de Carajás. Essa semana no Diário do Pará estava estampada na seção “Espaço do Leitor”, um leitor (não sei se real ou fictício) dizia que as pessoas realmente interessadas na divisão do estado são “forasteiros, corruptos e ladrões de terra”. Enviei um email questionando o jornal, mas logicamente não obtive resposta.
    Estão abertamente em campanha à favor do “NÃO”, e pior, estão tentando usar de bairrismo para convencer a população da capital a votar pelo “não”.
    Está na hora de nos mobilizarmos, para conscientizarmos os paraenses (nascidos e residentes), da necessidade da criação dos novos estados.
    EU VOTO “SIM”!

  5. Carajaense

    14 de julho de 2011 - 13:33 - 13:33
    Reply

    A forma que certos orgãos de comunicação da capital estão fazendo as pessoas ficarem contar a criação de dois novos Estados é da mais mesquinha ja vista, ora apelando para o emocional ora criticando duramente o povo que pleteia uma vida mais digna, vamos discutir a criação destes Estados de uma maneira democratrica respeitando as ideias e não fazendo terrorismo nas pessoas. A região toda ganhará com a criação dos Estados vejam só, hoje temos 17 Deputados Federais e 3 Senadores, com acriação a região passará a ter mais representatividade com 24 Deputados Federais e 9 Senadores com certeza a distribuição das verbas federais será melhor para esta região tão carente de tudo é só olhar o Nordeste uma das maiores fatia de verbas federais estão lá e com isto melhores estruturas de estradas,saúde, educação turismo,segurança etc…
    Vamos abraçar a criação já.Tapajós e Carajás

  6. ALberto Lima

    14 de julho de 2011 - 09:42 - 9:42
    Reply

    Duda Mendonça?? O mensaleiro??

    Agora vai!!…rsrsr!!

    • Hiroshi Bogéa

      14 de julho de 2011 - 12:01 - 12:01
      Reply

      Alberto Lima, o debate dessa causa não cabe esse tipo de colocação. É apelo do mais fino mau gosto. Vamos melhorar o discurso, meu caro. Não importa o que fez Duda. Temos que respeitá-lo como um dos melhores profissionais de seu ramo. Conteste a divisão territorial de outra forma, oquei?

  7. Claudio Pinheiro Filho

    14 de julho de 2011 - 09:41 - 9:41
    Reply

    O voto de uma pessoa humilde tem equidade no processo, é de igual importância aos demais. Não sou eu ou você, kpnup, que os “joga na sargeta”, mas a falta de políticas públicas voltadas para a inclusão social dos menos favorecidos. O que oportunizaria, qualificação profissional e melhorias nos serviços básicos prestados pelo sistema gestor deste Estado. O dever e direito cívico democrático de um cidadão, perpassa pelo livre pensamento e exposição de sua ideais, cabendo ao mesmo, a busca de argumentos e informações que preencham e enrriqueçam seu conhecimento. além de elucidar sua dúvidas.
    Quanto a participação de Deus no processo separatista, pois, você agradece e credita há ele a vitória dos conservacionistas. Deixo claro que, desconheço até o momento o envolvimento do criador do universo neste processo, caso isso se confirme, terás meu voto contra a separação. Abraços fraternos.

  8. anonimo

    14 de julho de 2011 - 00:29 - 0:29
    Reply

    totalmente apoiado andre ribeiro, agora já não acredito muito no êxito do plebiscito, é praticamente impossivel convencer ao povo de Belém querer perder “patrimônio”, até pq eles não estão nem ai pra gente, na verdade a maior parte das pessoas são egoistas mesmo..e essas pesquisas ai que divulgam diferenças de 5% só são totalmente fajutas.

  9. andre ribeiro

    13 de julho de 2011 - 20:27 - 20:27
    Reply

    Olha sr kpnup,

    Na sarjeta já estamos há muito tempo comos governantes do norte do pará, que tem nossos impostos revestidos em grandes obras de ostentação da riqueza paraense onde nenhum deles sequer vem aqui agradecer os votos destes humildes.

    Estamos cansados de sermos esquecidos, excluidos e jogadas a marginalidade. Já quem vive na capital e no entorno dela, que são em torno de 95% dos servidores publicos do estado não querem vir desbravar estas terras pois tem medo da violencia do pará do sul. Querem viver em shoppings, salinas, mosqueiro, outeiro, mangal, casa das 11 janelas, aeroporto novo sem infraestrutura para turismo e mesmo assim a gente consegue sobreviver semos paraenses do norte.

    Sempre foi assim para nós e para o pessoal do tapajós. SOMOS EXCLUIDOS deste e de todos os outros governos do passado.

    Este sentimento de separação é antigo. Não é modismo sr kpnup. E não é emocional mais. É racional!!!

    Estamos descontentes. Zefini.
    Qaunto ao sr respeito seu voto de contra, mas não critique argumentos de quem vive aqui no Pará do Sul. Argumente com dados e com razao e não com piticas destas.
    Obrigado

  10. kpnup

    13 de julho de 2011 - 16:03 - 16:03
    Reply

    Quando há interesses enormes em jogo ai vale apena convocar os mais humildes, não é meu caro Claudio Pinheiro Filho, para depois joga-los na sargeta novamente. Mas a grande maioria dos paraenses, graças à Deus, votará contra a criação de novos estados, assim como eu.

  11. Claudio Pinheiro Filho

    13 de julho de 2011 - 10:08 - 10:08
    Reply

    O projeto começa a criar corpo. Isso é importante para o andamento do processo. Vejo hoje, a população tomando gosto pela causa, adotando de vez Carajás. Quanto maior o envolvimento e a participação de todos nessas reuniões, melhor para os emancipacionistas. O discurso deve descer os becos das periferias, tocar os mais humildes, sensibilizar os de menor instrução, esse é o único caminho para a vitória no plebiscito. Eu voto sim!

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *