Hiroshi Bogéa On line

Frente contra Carajás promove feijoada do “Não”

 

A Frente em Defesa do Pará contra a criação do Estado de Carajás promoveu, na tarde de sábado (15), na Assembleia Paraense, a “Feijoada do Não e Não”, com objetivo de arrecadar dinheiro para a campanha do plebiscito. Cerca de mil e quinhentas pessoas estiveram presentes (foto) no evento, entre elas o deputado federal Zenaldo Coutinho, presidente da Frente, Sérgio Bitar, presidente da Associação Comercial do Pará e vice-presidente do movimento, Eduardo Costa, presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon) e diretor da Frente, os deputados estaduais Celso Sabino e Eliel Faustino, da Frente contra a criação de Tapajós, os vereadores de Belém Abel Loureiro e Alfredo Costa, o secretário Sidney Rosa e a prefeita de São Miguel do Guamá, Márcia Cavalcante. O valor arrecadado com a venda dos ingressos será destinado à produção de material gráfico da campanha publicitária.

Em seu pronunciamento, Zenaldo questionou quem teria elaborado o mapa da divisão, que deixa 64% da população paraense em apenas 17% do território. “Eles erraram até na dose”, declarou o parlamentar. “E quando eles criaram uma frente chamada ‘Por um Pará mais forte’, foi provocação. Porque eles não queriam nem que a gente votasse”, completou.

Sérgio Bitar enfatizou que a finalidade do evento é continuar a luta em defesa do Pará. “Essa campanha não é barata. Nós estamos fazendo a nossa parte com seriedade, dentro dos critérios da lei”, destacou. Para Celso Sabino, é preciso intensificar os trabalhos contra a divisão. “Tão importante quando levar informação para quem não tem, é fazer com que a pessoa vote no dia do plebiscito. Para isso, a gente precisa de bastante material de campanha e um programa de televisão digno”, disse.

De acordo com o presidente do Corecon e diretor da Frente contra a Criação de Carajás, Eduardo Costa, a separação não irá melhorar a vida da população paraense. “Pelo contrário. O gasto com a máquina pública inviabiliza a administração nesses três Estado. Essa é uma eleição atípica. O nosso candidato é o Estado do Pará”, enfatizou.

A Frente em Defesa do Pará contra a criação de Carajás tem intensificado sua luta contra a divisão, inclusive no interior do Estado, marcando presença em diversos municípios, entre eles Castanhal, Capanema, Abaetetuba e São Miguel do Guamá. Está confirmado ainda o lançamento da campanha em Santa Maria do Pará, no dia 02 de novembro, e em Igarapé Açu, no dia 03. No dia 30 de outubro, a Frente realizará uma grande carreata em Belém, com concentração marcada para às 8h30, em frente a Escola Superior de Educação Física, na avenida João Paulo II.

 

Assessoria de Imprensa da Frente em Defesa do Pará contra a Criação do Estado de Carajás

 

Nota do Blog: o espaço está à disposição das assessorias de imprensa das Frentes envolvidas na disputa pela criação e contrárias à divisão do Estado.  Quanto mais informação à população do Pará receber nesse período, melhor  posicionará seu voto no dia do Plebiscito.

 

Post de 

10 Comentários

  1. Feijão do Não

    18 de outubro de 2011 - 16:40 - 16:40
    Reply

    Feijão do NÃO é NÃO e NÃO

    Quaquaraquaqua. A elite come feijão, SIM. Porém, nos dá um retrato de quem não quer a criação de novos estados. Vai ser bom para todos. Inclusive para eles que agora, anunciaram a construção de um novo prédio da Assembléia Legslativa (Liberal, domingo, p.3 que vai custar R$ 4,4 milhões), é o fim da picada. É muita cara de pau. É muita bandalheira. É muita falta de decoro. É muitaq desgraça pra uma população em Belém que não tem água, casa, transporte coletivo,escolas de ensino médio, Seduc com déficit de 30 milhões (Liberal de domingo, não aguentamos mais financiar a roubalheira daquela elite.

  2. Feijão do Não

    18 de outubro de 2011 - 12:01 - 12:01
    Reply

    Mano, sobrou feijão. Sabe o que é isso? A elite não come feijão. Ainda mais num clube classe A como o da Assembléia Paraense. Eis os que estão contra a oportunidade de criarmos novas perspectivas, novos concursos públicos, novos empregos, novas universidades. A elite não quer isso. E por isso, sobrou feijão. Preferem dar o óbulo a fazer a caridade.. Sobrou feijão. Pense nisso.

  3. Alberto Lima

    18 de outubro de 2011 - 10:43 - 10:43
    Reply

    O Pará é dos paraense, nascidos ou não aqui!
    Não existe esse negócio de é meu ou seu, o certo é nosso, e a maioria decide se quer ou não se dividir.

    É esperar o plesbiscito e pronto!

    Discutir quem é dono do quê, não leva a nada!

  4. marcos marabaense

    18 de outubro de 2011 - 08:57 - 8:57
    Reply

    Sei que voce anonimo é um recalcado, infeliz. Pois a unica maneira de se comunicar é com ataques pessoais e sem argumento. Voce nao é dono de nada, eu nao sou seu convidado, não estou na tua casa e sim na minha, por isso mantenha-se na sua e me deixe em paz.

  5. Marabaense interessado em saber

    16 de outubro de 2011 - 21:04 - 21:04
    Reply

    Hiroshi,

    Mudando um pouco desse assunto de separação, afinal a ALPA sai ou não, o que sabes sobre isso? o vereador Nagib diz que tem informações precisas de que a Vale não fará o investimento, mas também não citou a tal fonte fidedigna que diz que lhe passou a informação logo desmentida “meio-de-qualquer-jeito”.

    Depois o mesmo vereador, como prefeito no afastamento do titular, teria solicitado informações precisas à Vale, mas ninguém sabe se àquela empresa respondeu e se o fez, qual o conteúdo da resposta, e aí? Sabes de algo sobre o assunto?

    • Hiroshi Bogéa

      16 de outubro de 2011 - 21:10 - 21:10
      Reply

      O que eu sei, Marabaense interessado em saber, já foi divulgado no blog, dois dias depois da entrevista do presidente da Câmara Municipal. Se você puder dar uma chegada até o local , vai perceber que as obras da Alpa estão sendo tocadas. Abs

  6. A Força do SIM...

    16 de outubro de 2011 - 18:22 - 18:22
    Reply

    anonimo
    outubro 16th, 2011 at 16:54
    RESPOSTA
    você, nem ao menos saabe o que é. O CARA SE DISSE MARABAERNSE
    Será que é miineiro,? E SE FOSSE?
    Será que é goian? E SE FOSSE?
    será de onde veio? E SE FOSSE?

    O Pará é não é casa da mãe Joana.O PARÁ É TUA CASA, OU SÓ A RMB?
    aprenda a saber e reconhecer que convidado(s) não podem dar ordem na casa do outro. QUEM CONVIDOU, QUEM?
    Trabalhe, contribua, faça a sua parte, entretanto, não seja indelicado e, irresponsável com os que souberam fazer você gente!, inclusive, INCLUSIVO! VCS NÃO FIZERAM NADA POR NINGUÉM, NEM INCLUÍRAM NINGUÉM, TBM POR ISSO NÓS QUEREMOS EMANCIPAÇÃO.
    VCS TEM QUE PARAR COM ESSA HISTÓRIA DE QUE SÃO DONOS DAQUI. NÓS NASCEMOS AQUI E NÃO SOMOS DONOS DAQUI E MUITO MENOS DE NADA QUE PERTENÇA A BELÉM! TE DIZER…

  7. anonimo

    16 de outubro de 2011 - 16:54 - 16:54
    Reply

    você, nem ao menos saabe o que é.
    Será que é miineiro,?
    Será que é goian?
    será de onde veio?

    O Pará é não é casa da mãe Joana.
    aprenda a saber e reconhecer que convidado(s) não podem dar ordem na casa do outro.
    Trabalhe, contribua, faça a sua parte, entretanto, não seja indelicado e, irresponsável com os que souberam fazer você gente!, inclusive, INCLUSIVO!

  8. marcos marabaense

    16 de outubro de 2011 - 12:28 - 12:28
    Reply

    OLA HIROSHI

    O que é interessante na opiniao dos que são contra a criaçao de Carajas é eles defenderem o Pará como se fossem os reais “donos” das regioes a serem emancipadas, ou seja, nos moradores destas regioes somos invasores e eles entraram com reintegração contra nós.
    Nos precismos mostrar que nem aqui os denfesores do PARA se importam, nao tão nem ai. Precisamos emancipar, pois temos caracteristicas diferentes de da região metropolitana de Belem. O Brasil quando ficou diferente de Portugal se separou, chegou a nossa hora.

  9. Paiva

    16 de outubro de 2011 - 12:09 - 12:09
    Reply

    Mil e quinhentas pessoas? Então bateram a foto quando não tinha nem duzentas.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *