Hiroshi Bogéa On line

Força da mulher

Edilza Fontes provou quem realmente manda. Não deixou nem a galera degustar a leitura da Nota de Esclarecimento redigida pela coordenação do sudeste da Democracia Socialista que desautoriza qualquer ligação do professor Dionísio Gonçalves com o Partido dos Trabalhadores. Só para reavivar, a nota enviada ao blogger diz o seguinte:
A Democracia Socialista, corrente interna do Partido dos Trabalhadores, através de sua Coordenação em Marabá, tendo em vista a notícia veiculada na coluna do jornalista Hiroshi Bogéa, em o Diário do Pará, do dia 11 de setembro de 2007, esclarece aos seus militantes e população em geral, que o professor Dionísio Gonçalves não é filiado ao Partido dos Trabalhadores em Marabá, não integra a corrente Democracia Socialista, tampouco recebe apoio desta corrente a eventual candidatura a vereador em 2008, no município de Marabá.

Pois bem, 72 horas depois, Charles Alcântara, desembarcou em Marabá para cumprir itens de extensa agenda, entre eles, abonar a filiação do professor. Em seu discurso de saudação ao novo membro da DS, o chefe da Casa Civil fez questão de cunhar a seguinte frase: -“Andaram divulgando que o Dionísio não é do PT, mas agora ele é do partido para a nossa satisfação”.
É do PT e será candidato a vereador, para constrangimento completo da direção municipal da DS.
Post de 

10 Comentários

  1. Anonymous

    21 de setembro de 2007 - 02:48 - 2:48
    Reply

    Mas o PT sempre foi assim. Por que todas essas críticas e até admiração pelos encontros e desencontros de suas corresntes internas? Justamente aí é que está o sucesso do PT. Brigam, brigam, ou fazem que brigam, e no final de tudo, na hora do pega pra capar, estão todos juntos em nome de seus candidatos. É isto que falta para os outros partidos: democracia interna.

  2. Anonymous

    19 de setembro de 2007 - 23:12 - 23:12
    Reply

    Pelo que to vendo o PT bem poderia se chamar PT de B (Partido Torre de Babel), ninguem fala a mesma língua quando o assunto é política… Mas quando o assunto é cargos e R$ bem que os fascinoras se abraçam em inigualável fraternidade, chama-se até de “companheiros”

  3. Anonymous

    18 de setembro de 2007 - 20:14 - 20:14
    Reply

    Todos os integrantes da direçào da DS estavam na solenidade de filiação de novo companheiros e que contou também com a presen;ca do Chefe da casa Civil, Charles Alcântara. Apenas uma pessoa nao compareceu, da coordenaçao da Democracia Socialista: exatamente ele, o Ronaldo Giusti, que agora fica aqui no anonimato falando de camaradas sinceros ao partido a à tendência. Inclusive ameaçando o Charles Alcantara com esse negócio de Ministério Público. Coisa de advogado que só pensa nisso.

  4. Anonymous

    18 de setembro de 2007 - 18:16 - 18:16
    Reply

    O PT acha que é partido de esquerda. Pode até ser, mas só se for da “esquerda volver”.
    Falam de coronéis e barangolês com tanta desfaçatez que as vezes penso que tão falando sério.

    Acham que são melhores que o PSDB, pois ficam chateados quando alguém diz que são iguais.
    O poeta é um fingidor, deveras.

    Quanto tempo perdido!!!!

    Vamos pescar!!!

  5. Anonymous

    18 de setembro de 2007 - 18:03 - 18:03
    Reply

    ESSE ANONIMO DAS 2:05 PM NÓS TEMOS CERTEZA DE QUE É O RONALDO GIUSTI. FOI ELE QUEM SE OPÔS AO INGRESSO DO PROFESSOR DIONÍSIO NO PT E QUEM ASSINOU A NOTA QUE SAIU NA COLUNA DO HIROSIHI BOGEA DO DIARIO DO PARA. COMO FOI DESMORALIZADO PELOS DEMAIS COMPANHEIROS DE LEGENDA, E DA PROPRIA DS, VEM AQUI LEVANTAR FALSO TESTEMUNHO CONTRA O CHARLES ALCANTARA, UMA PESSOA DA CONFIANÇA DA GOVERNADORA. É MENTIRA DE QUE ELE VEIO APENAS PARA ABONAR A FICHA DO DIONISIO, ELE VEIO CUMPRIR UMA PAUTA E NÓS DO PT O ACOPANHAMOS EM TODOS OS ENCONTROS.
    O RONALDO GIUSTI ESTA CADA DIA MAIS CADENTE, FAZENDO CAMPANHA CONTRA QUEM SE PROJETA. ELE ESTA TODOS ESSES ANOS EM MARABA NO PT E NUNCA CONSTRUIU ALGO POSITIVO EM FAVOR DO PARTIDO.

  6. Anonymous

    18 de setembro de 2007 - 17:10 - 17:10
    Reply

    O anonimo das 9:14 tem razao. O PT está cada dia se tucanando, para desgosto de quem semre amou a legenda.

  7. Hiroshi Bogéa

    18 de setembro de 2007 - 17:07 - 17:07
    Reply

    Bia, lembro do que aconteceu em 1988, das seguidas reuniões e de sua intransigência em manter-se fiel ao que você falava e pensava. Mas acho que historicamente, o resultado de tudo foi positivo. Pelo menos você livrou-se de ser protagonista principal de um dos momentos mais dificeis da politica local.

  8. Anonymous

    18 de setembro de 2007 - 17:05 - 17:05
    Reply

    Charles Alcântara chegou meio-dia, já no finalzinho da solenidade de lançamento do Bolsa=Escola. Quem veio representar a Governadora foi o Secretário André Farias, que chegou cedo a Marabá. Charles veio em avião do Estado, mas foi só para abonar a ficha de Dionísio. O ato do Chefe da Casa civil não agradou a maioria do PT, inclusive membros da DS. O caso deve parar no Ministério Público, pois viajou de avião do Estado para uma atividade partidária. Agora, com relação à filiação de Dionísio, é provável que ela não passe na próxima reunião do Diretório Municipal.

  9. Anonymous

    18 de setembro de 2007 - 12:14 - 12:14
    Reply

    Infelizmente, é um péssimo nome para estar na legenda do PT e muito mais infeliz será o município de Marabá.
    As ações truculentas, individualistas e autoritárias deste senhor, parece muito é com ações tucanas e outros partidos coronelistas.

  10. Bia

    18 de setembro de 2007 - 11:45 - 11:45
    Reply

    Poxa, Hiroshi,

    e niguém perguntou ao Charles “andaram quem , cara páida?” tendo em vista que a nota veio do PT, considerando-se que a DS ainda não é autônoma?

    Essa é uma dificuldade preocupante dos petistas: não conseguem assumir sem disfarces ou falso constrangimento que alianças “estranhas” e sapos engolidos são parte do seu projeto de poder. Deles e de todos os partidos nacionais. Alguns o fazem sem pejo, outros disfarçando, fazendo de conta que o objetivo é mais generoso do que o poder e o poder.

    Isso é bom? Não, não é. Mas ainda não chegou o dia em que as alianças serão programáticas e não oportunistas (no sentido dicionariano da palavra: de aproveitar oportunidades).

    Eu, como vejo isso acontecer há quase 6 décadas – desde que comecei a enxergar…rsrsrs…- não gosto, mas, infelizmente, aprendi na carne que a política não está no mundo pra corresponder aos meus desejos e fantasias.

    Hoje, após 22 anos, reconheço que a minha intransigência ao não aceitar uma aliança am Marabá em 1988, porque programaticamente era detestável mas circunstancialmente era necessária, errei.

    A diferença, a meu favor, é que não fiz porque não saberia justificá-la. E não tinha “criatividade” pra inventar..rsrsrs…

    ABração

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *