Flancos de carícias

Publicado em 27 de fevereiro de 2009

Começar um dia qualquer, lendo a sensibilidade de Bia, faz um bem tão grande à alma…

Um dia qualquer

Amortecidas pelo desconforto permanente, as pessoas viajam sem abrir as janelas do ônibus, ainda que a chuva tenha parado.

O abafamento mistura os cheiros de perfume barato, roupas molhadas e suor do trabalho. Um cheiro insuportável de vida real.

Tento esconder-me nos pensamentos ou na paisagem úmida da janela. Mas uma criança senta-se ao meu lado e no colo da mãe, chora.

Seu choro é um misto de birra e sono. A mãe parece não ouvi-la, mais imersa do que eu nos próprios pensamentos.

Distraio–me agora imaginando onde e como moram. E ao dedicar-me a isso, o choro da criança é apenas a música de fundo de uma vida sem glórias.

Localizo-as- mãe e filha – numa das muitas ruas da periferia que conheço. Um beco sem asfalto, mal iluminado, onde o lixo dorme na entrada da rua.

Casas mistas, de alvenaria e madeira. Mais madeira do que alvenaria.

Quem sabe moram na baixada, onde a estiva tem por baixo a água suja, o “chão de estrelas” do samba do tempo em que a favela era “lírica” para os bem postos na vida.

Deve haver quatro ou cinco cachorros pela rua e quando elas chegarem ele vão latir muito. Cães da rua latem por tudo e para todos. Quem sabe mais dois ou três garotos. Com fome. Esperando a mãe trazer a comida que faltou no almoço.

Mergulhada nesse texto, não vi quando desceram. E me senti muito mal. Como se de repente me apercebesse de que a minha solidariedade está tão nublada pelo hábito de conviver com o sofrimento alheio a ponto de transformá-lo em ficção.