Hiroshi Bogéa On line

Fé cristã

Publicado no caderno Tendências/Debates da Folha de São Paulo, artigo assinado por Frei Betto, “Dilma e a Fé Cristã”:

Conheço Dilma Rousseff desde criança. Éramos vizinhos na rua Major Lopes, em Belo Horizonte. Ela e Thereza, minha irmã, foram amigas de adolescência. Anos depois, nos encontramos no presídio Tiradentes, em São Paulo. Ex-aluna de colégio religioso, dirigido por freiras de Sion, Dilma, no cárcere, participava de orações e comentários do Evangelho. Nada tinha de “marxista ateia”.

Nossos torturadores, sim, praticavam o ateísmo militante ao profanar, com violência, os templos vivos de Deus: as vítimas levadas ao pau-de-arara, ao choque elétrico, ao afogamento e à morte.

Em 2003, deu-se meu terceiro encontro com Dilma, em Brasília, nos dois anos em que participei do governo Lula. De nossa amizade, posso assegurar que não passa de campanha difamatória – diria, terrorista – acusar Dilma Rousseff de “abortista” ou contrária aos princípios evangélicos. Se um ou outro bispo critica Dilma, há que se lembrar que, por ser bispo, ninguém é dono da verdade.

Nem tem o direito de julgar o foro íntimo do próximo. Dilma, como Lula, é pessoa de fé cristã, formada na Igreja Católica. Na linha do que recomenda Jesus, ela e Lula não saem por aí propalando, como fariseus, suas convicções religiosas. Preferem comprovar, por suas atitudes, que “a árvore se conhece pelos frutos”, como acentua o Evangelho.

É na coerência de suas ações, na ética de procedimentos políticos e na dedicação ao povo brasileiro que políticos como Dilma e Lula testemunham a fé que abraçam. Sobre Lula, desde as greves do ABC, espalharam horrores: se eleito, tomaria as mansões do Morumbi, em São Paulo; expropriaria fazendas e sítios produtivos; implantaria o socialismo por decreto…

Passados quase oito anos, o que vemos? Um Brasil mais justo, com menos miséria e mais distribuição de renda, sem criminalizar movimentos sociais ou privatizar o patrimônio público, respeitado internacionalmente.

Até o segundo turno, nichos da oposição ao governo Lula haverão de ecoar boataria e mentiras. Mas não podem alterar a essência de uma pessoa. Em tudo o que Dilma realizou, falou ou escreveu, jamais se encontrará uma única linha contrária ao conteúdo da fé cristã e aos princípios do Evangelho.

Certa vez indagaram a Jesus quem haveria de se salvar. Ele não respondeu que seriam aqueles que vivem batendo no peito e proclamando o nome de Deus. Nem os que vão à missa ou ao culto todos os domingos. Nem quem se julga dono da doutrina cristã e se arvora em juiz de seus semelhantes.

A resposta de Jesus surpreendeu: “Eu tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; estive enfermo e me visitastes; oprimido, e me libertastes…” (Mateus 25, 31-46). Jesus se colocou no lugar dos mais pobres e frisou que a salvação está ao alcance de quem, por amor, busca saciar a fome dos miseráveis, não se omite diante das opressões, procura assegurar a todos vida digna e feliz.

Isso o governo Lula tem feito, segundo a opinião de 77% da população brasileira, como demonstram as pesquisas. Com certeza, Dilma, se eleita presidente, prosseguirá na mesma direção.
Post de 

6 Comentários

  1. Anonymous

    13 de outubro de 2010 - 18:10 - 18:10
    Reply

    Frei Beto sabe tanto de política quanto Lula de português. Ele rasgava elogios a Lula, depois se disse decepcionado. Agora elogia Dilma, depois veremos o que dirá.

  2. Anonymous

    12 de outubro de 2010 - 00:26 - 0:26
    Reply

    É preciso que se entenda,que o Serra não inventou isto.É Lei Federal,só e unicamente para risco de vida da mãe ou para vítimas de estupro.O que ele e os técnicos do Ministério da Saude fizeram foi regular,criar centros de apoio sem deixar as mulheres ao léu,dependendo da boa vontade de hospitais e médicos.Não sou eleitor de nenhum destes ridiculos .

  3. Anonymous

    11 de outubro de 2010 - 20:32 - 20:32
    Reply

    Que belo texto de Frei Betto. Fala do que lhe é peculiar: a prática da fé cristã.
    Lendo Frei Betto penso: quem irá para o ceu? Os que se dizem cristãos mas tomam atitudes egoístas e corruptas, ou os que guardam sua fé em silêncio, mas agem de forma transparente,justa e honesta ?
    Nos faz pensar no governo municipal de Marabá, declaradamente cristão e tão longe da pratica cristã.

  4. Anonymous

    11 de outubro de 2010 - 17:27 - 17:27
    Reply

    Inspirado em texto de um jornal serrista. (Parte I)

    Aborto: No programa eleitoral de TV Serra esconde lei que baixou na Saúde

    Na propaganda eleitoral, o presidenciável José Serra é apresentado como "o melhor ministro da Saúde" que o Brasil já teve.

    A campanha tucana "esquece" de mencionar, porém, uma outra realização do ministro Serra.

    Em 1998, com Fernando Henrique Cardoso presidente, Serra assinou lei que oficializou o aborto nos hospitais conveniados ao SUS, a mulheres grávidas até o quinto mês.

    Ou seja, como ministro da Saúde, Serra ditou as normas para a realização de abortos nos hospitais do SUS.

    (continua… se o Hiroshi permitir)

  5. Anonymous

    11 de outubro de 2010 - 17:21 - 17:21
    Reply

    Inspirado em texto de um jornal serrista.

    Aborto: No programa eleitoral de TV Serra esconde lei que baixou na Saúde

    Na propaganda eleitoral, o presidenciável José Serra é apresentado como "o melhor ministro da Saúde" que o Brasil já teve.

    A campanha tucana "esquece" de mencionar, porém, uma outra realização do ministro Serra.

    Em 1998, com Fernando Henrique Cardoso presidente, Serra assinou lei que oficializou o aborto nos hospitais conveniados ao SUS, a mulheres grávidas até o quinto mês.

    Ou seja, como ministro da Saúde, Serra ditou as normas para a realização de abortos nos hospitais do SUS.

    Na pele de candidato, Serra prefere apresentar-se como alguém "que sempre condenou o aborto e defendeu a vida". "Eu quero ser um presidente com postura, equilíbrio e que defenda os valores da família brasileira", disse, no reinício da propaganda de TV, nesta sexta (8). Na vida real, o político Serra adotou outro comportamento, implantou de fato o aborto no Brasil.

    Com medo da verdade aparecer e de perder votos entre os evangélicos e católicos, Serra vincula-se mais ao que há de pior no movimento religioso brasileiro do que ao passado de ministro, contando com o acobertamente de lideranças religiosas ligadas ao PSDB e ao DEM, que para salver o candidato tucano escondem a verdade dos milhões de eleitores evangélicos e católicos.

    Em 1998, a portaria de Serra gerou uma enorme grita de católicos e evangélicos. O Serra de então, como todo arrogante, se fez de surdo. Naquele momento Serra não se lembrou de seu "compromisso com a defesa dos valores cristãos da família e da vida" que faz hoje como candidato.

    Severino Cavalcanti (PP-PE), à época deputado federal, ligado a religiosos tentou barrar a lei de Serra na Câmara em Brasília. Em vão. Outra resistência foi da bancada feminina, liderada pela deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), hoje fervorosa aliada de Dilma.

    Serra não ouviu nem religiosos nem parlamentares e oficializou o aborto no SUS. Para o "melhor ministro da saúde" a vida não tinha valor. Serra não ouviu nem católicos nem evangélicos. Mas agora Serra se apresenta como defensor da vida. Quem ele quer enganar? quem vai se deixar enganar pelo Serra? Quem vai se deixar fazer de bobo pelo homem que implantou o aborto no Brasil? Os evangélicos? Os católicos? Você?

    Rendido à (i)lógica eleitoral, Serra como que se esconde atrás dos mais atrasados líderes religiosos do Brasil, que o ajudam a fazer uma das campanhas mais sujas da historia política do Brasil. Esses líderes religiosos que escondem o passado de Serra e tentam manipular homens e mulheres, evangélicos e católicos de bem, estão a serviço de quem afinal? De Deus que não é. Porque Deus abomina a mentira. Votar em Serra é votar em propostas anti-cristãs. Pense nisso enquanto há tempo.

  6. Anonymous

    11 de outubro de 2010 - 17:09 - 17:09
    Reply

    Não quero incentivar a homofobia, apenas mostrar uma das muitas faces do "homem das mil caras" que na frente dos evangélicos e carismáticos condena o homossexualismo, e na passeata gay incentiva o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

    leia:

    A verdade começa a aparecer.

    Serra participa da marcha gay em São Paulo e defende o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Leia no site do Estadão em:

    http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,serra-defende-uniao-homossexual-durante-a-parada-gay-de-sp,387264,0.htm

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *