Familiares de recrutas do exército exigem explicação sobre o paradeiro dos militares

Publicado em 23 de agosto de 2020

Um grupo de pais de recrutas que participaram do Estágio Básico do Combatente de Selva (EBCS) 2020, conhecido popularmente como “Operação Boina”, estão pressionando o comando do 52º Batalhão de Infantaria de Selva (52º BIS) pedindo informações sobre os filhos.

Segundo o grupo, os recrutas participaram do treinamento durante uma semana e na manhã de sábado, 22, deveriam ter participado da cerimônia de formatura e retornado para as casas.  Mas a cerimônia foi cancelada e o motivo seria um castigo dado aos jovens por conta do sumiço de uma arma de propriedade do exército, durante o curso.

Sem muitas informações, o grupo que foi até a sede do comando para participar da cerimônia, permaneceu no local durante todo o dia. Já era noite quando, revoltados, os pais fecharam a rodovia BR-230, nos dois sentidos, para pressionar o Batalhão a dar detalhes sobre as condições físicas e de saúde dos recrutas.

Uma negociação foi feita entre dois pais e um oficial, para que eles adentrassem a sede e conferissem a situação dos jovens e repassarem informações aos demais pais.

Uma equipe do jornal local Correio de Carajás, esteve na sede do Comando. A eles um dos presentes relatou que havia a informação de que um grupo de cinco recrutas teria ingerido querosene e passado mal, sendo levado para o Hospital da Guarnição, em Marabá.

Em nota, o 52° BIS confirma o desaparecimento de objetos, entre eles um armamento, e diz que os recrutas estão bem.

“O 52º Batalhão de Infantaria de Selva (52º BIS) está conduzindo o Estágio Básico do Combatente de Selva (EBCS) 2020 para os militares do efetivo variável. O término das atividades do Estágio, inicialmente previsto para esta data, quando seria realizada solenidade de encerramento do EBCS e a entrega da boina aos militares com a presença de seus familiares, fui suspenso tendo em vista que nem todos os objetivos da instrução dos recrutas foram atingidos”, diz a nota.

“Foi verificado, ainda, durante a conferência dos materiais de emprego militar, que se encontra extraviada uma pistola pertencente ao Exército Brasileiro que estava sob tutela de militar do 52º BIS. Tão logo verificou-se a falta do armamento foram desencadeadas todas as medidas visando sua imediata recuperação. Todos os militares participantes das atividades encontram-se apoiando no vasculhamento da área do exercício a fim de localizar o armamento, estão em bom estado de saúde e as famílias foram devidamente avisadas sobre a suspensão da formatura de encerramento do EBCS. Tão logo as buscas sejam encerradas, a tropa retornará para o aquartelamento e será liberada”, complementa o 52º BiS no posicionamento.(Correio)