Faça o que digo…

O Fórum de Justiça de Marabá foi construído em uma grande lixeira, próximo ao rio Itacaiúnas, ao custo de R$ 2 milhões. Pouco tempo depois de inaugurado, o prédio sofreu avarias em grande parte de sua extensão, paredes e pisos rachados -, culminando, inclusive, com a suspensão de uma sessão de Tribunal de Júri, por decisão sensata do juiz Ricardo Skarf, temendo desabamento do imóvel sobre uma grande platéia.

A construtora responsável pela pocilga aplicou, inclusive, cano de R$ 80 mil na prefeitura de Marabá por sonegação de tributos.

Inaugurado em 5 de novembro de 2004, de lá até hoje, diversas reformas foram executadas sempre com objetivo de consertar o grave problema de origem. Não se tem conhecimento dos valores aplicados na tentativa de recuperação do serviço mau feito.

Anuncia-se, agora, mais um desembolso. Desta feita, da ordem de R$ 400 mil, para outra reforma.

No caso da Justiça, exemplo de casa não existe para mostrar transparência em suas ações.