Setor de compensados exalta “novo momento”

 

 

Semana passada, em Rondon do Pará, durante reunião de fabricantes de compensados, à unanimidade, participantes não pouparam elogios à atuação da Secretaria Estadual de Meio Ambiente na elaboração do Decreto 216/11, que dispõe sobre o licenciamento ambiental das chamadas atividades agrossivopastoris, realizadas em áreas alteradas e subutilizadas fora da área de reserva legal e área de preservação permanente nos imóveis rurais.

Animados com a reação positiva do mercado, que nos últimos meses teria aumentado em duas vezes a tabela, de agosto para o meio de outubro, “depois de quatro anos sem qualquer aumento”, segundo Justiniano de Queiroz Netto, do Conselho Temático de Meio Ambiente – CTMA – , os empresários demonstraram, em meio às discussões, ansiedade quanto a regulamentação final do decreto, em via de formatação na Sema.

Para se medir o grau de satisfação dos industriais, a maioria das fábrica de compensados só está aceitando pedido de clientes para efetuar entrega com mais de 60 dias.

Segundo dados apresentados em Rondon, em maio passado, as indústrias estavam com estoque em alta, “vendas muito baixas, mas em poucos meses a situação mudou para melhor: vivemos novo momento”, garantiu Justiniano.

Hoje mais de 80% do compensado é feito de Paricá reflorestado e a tendência é subir e o setor se tornar auto-suficiente.

A produção estava em 15.000 m3/mês e já subiu para quase 18.000 m3, por força da nova demanda. Ainda é longe dos cerca de 100.000 m3 registrado no ano de 2001, mas está retomando a marcha em bases sustentáveis.

Segundo Justiniano, “todos os industriais irão, no mínimo, dobrar a área plantada até 2013”, gerando empregos, alugueis de máquinas, compra de combustível e peças na área de reflorestamento nos próximos dois anos. “Isto tudo porque sentimos segurança na política que foi implantada com a assinatura do Decreto 216/11”.

A regulamentação a qual se referem os empresários da atividade florestal é uma Instrução Normativa, em fase de elaboração na Sema, com a participação da Fiepa, para esmiuçar o decreto estadual 216.

Rubens Sampaio, secretário Adjunto da Sema, integrante da equipe que formata a IN, acredita que ainda este mês o documento será publicado.