Hiroshi Bogéa On line

Etanol: Jader cobra exclusão da Amazônia

Documento enviado ao presidente Lula pelo deputado federal Jader Barbalho acusa o governo de estar excluindo as populações da Amazônia do programa de produção de etanol, sem que Brasília se sinta na obrigação de esclarecer os critérios em que se basearam a sua decisão. “Nós, da Amazônia, perguntamos a Vossa Excelência: que estudos ou análises técnicas deram respaldo a essa decisão? Foram ouvidos os cientistas amazônicos e seus órgãos de pesquisa?” Matéria no Diário.

Post de 

5 Comentários

  1. Roberto Limeira de Castro

    19 de julho de 2007 - 21:30 - 21:30
    Reply

    Caro Hiroshi!

    Queira por gentileza corrigir no meu comentário sobre a pretensa proibição da produção de etanol na Amazônia:

    Onde se lê: 4 milhões de hectares, leia-se 400 milhóes de hectares (4 milhóes de Km2)

  2. Anonymous

    19 de julho de 2007 - 20:05 - 20:05
    Reply

    O QUE SERÁ QUE REALMENTE “ELE” TA QUERENDO ?

  3. hiroshi

    19 de julho de 2007 - 18:59 - 18:59
    Reply

    Depois do berro do Jader os governadores do Amazonas e Tocantins estão de arma em punho também contra mais essa medida para isolar o povo da Amazônia. Issso vai render, Roberto.

  4. Roberto Limeira de Castro

    19 de julho de 2007 - 16:51 - 16:51
    Reply

    Os dois ministros gaúchos estão tão preocupados em fazer o jogo sujo dos produtores de etanol paulistas e tolher o desenvolvimento da Amazônia que repetem todos os dias na imprensa que será proibido plantar as duas culturas mais rentáveis do país na atualidade, a cana-de-açúcar e a soja. Não têm autoridade, nem delegação de poderes para isso.

    O mais grave é que ficam dando justificativas ridículas que são os outros hipócritas estrangeiros que não querem, porque estão preocupados com o degelo da calota polar causado pelo aquecimento global dos pinóquios. A pura verdade é que os grandes conglomerados de petróleo estão aproveitando esse degelo conjuntural e o adelgaçamento da camada de gelo para diminuir os custos de prospecção das maiores reservas fósseis do precioso e exaurível hidrocarboneto, com investimentos de US$ bilhões.

    Todo mundo também sabe que os que chamam o etanol amazônico de sujo no exterior recebem enormes subsídios para produzir álcool ineficiente, imaginem só, de beterraba. Mesmo tendo descoberto fórmulas eficientes de produção do etanol da celulose, principalmente, os países nórdicos que têm uma laminha de hectares de florestas cultivadas, os europeus não tem espaço físico territorial para absorver a energia solar necessária as suas demandas energéticas.

    Se saírem da dependência do petróleo árabe em vias de esgotamento, terão que pedir arreglo aos produtores de etanol do Brasil. Nesse instante, só existem áreas disponíveis para produção de etanol da cana em cerca de 600.000 hectares nas regiões hegemônicas brasileiras, sob pena da cana invadir o território sagrado das culturas alimentícias.

    As diretrizes do Ministério de Minas e Energia são direcionadas para a produção de etanol e biocombustíveis de oleaginosas e álcool de cana, ambas pertencentes ao grupo fotossintético C3, que são ineficientes em termos de armazenamento de energia solar conversível, renovável e limpa.

    Ambas tendem a invadir as áreas destinadas a produção de alimentos, conforme vem, sistematicamente, denunciando os Presidentes da Venezuela e de Cuba na imprensa mundial, com efeitos extremamente danosos sobre a sobrevivência energética dos trabalhadores, particularmente, os mais pobres.

    O Presidente da República em seus discursos no exterior tem enfatizado que o bio-diesel seria a solução para a geração de empregos e renda nos países em desenvolvimento da África e América Latina.

    O “X” da questão está na mudança da matriz energética norte-americana, cujos cientistas das maiores empresas de biotecnologia do planeta descobriram e já patentearam micro-organismos geneticamente re-combinados capazes de produzir o etanol da celulose com aproveitamento de 70% da madeira e de resíduos agrícolas. Por essa nova metodologia, a hemicelulose que antes era descartada juntamente com a lignina na produção de celulose para a fabricação de papel e não podia ser aproveitada para produzir etanol por resultar no açúcar triose, imprópria para essa finalidade, hoje pode.

    Com a nova tecnologia biotecnológica desenvolvida, tanto os 40% de celulose, quanto os 30% de hemicelulose podem ser transformados em glucose, matéria prima do etanol, sob a ação hidrolítica dos novos micro-organismos patenteados. Apesar dos segredos comerciais que cercam essas descobertas, o caminho passa pela hibridização de espécies produtoras de etanol como a levedura Zymononas mobilis com plasmídeos de Escherichia coli

    Mal sabem os ministros gaúchos, que estão prejudicando os próprios conterrâneos que vieram para a Amazônia em massa nos anos 80 e são os maiores plantadores de soja e criadores de gado da região.

    Além de míopes e regionalistas doentios, se não tomaram conhecimento dessas tendências tecnológicas, ficam muito a dever no trato de assuntos de tamanha importância para os setores energéticos e agrícolas brasileiros.

    Se a cana-de-açúcar vier a se tornar inviável em função da nova tecnologia desenvolvida pelos norte-americanos e nórdicos, o que é bem provável, as áreas atualmente plantadas com cana poderão, perfeitamente, ser plantadas com Eucaliptos e Pinus. Nesse caso, basta agregar às atuais usinas, uma etapa de processamento da madeira em celulose e hemicelulose para a produção da glucose, com a lignina de alto poder de combustão podendo ser utilizada para a produção de calor e energia elétrica. Aliás, as autoridades brasileiras têm obrigação de ficarem muito atentas às tendências energéticas mundiais para o Brasil não ser pego de surpresa. As pressões intestinas regionais não podem nem devem interferir no futuro do nosso país.

    O grande potencial energético do mundo em termos de energia está nas florestas cultivadas e nativas em manejo científico auto-sustentável, que podem produzem etanol de celulose com o triplo da produção da cana.Essa será a tendência mundial nos próximos anos.

    Com 4 milhões de hectares de áreas fotossintéticas de energia assimilável e armazenável na zona de maior insolação da Terra, a floresta equatorial Amazônica possui um Iraque em reservas mundiais de energia combustível renovável e limpa com apenas 20% de aproveitamento territorial, sobrando duas Arábias Sauditas nos 80% restantes.

    Fico só imaginando quando os produtores da região norte começarem a produzir álcool da celulose de madeira, a última palavra em tecnologia de produção de etanol no mundo desenvolvido, quais vão ser as desculpas esfarrapadas que eles vão balbuciar, tentando proibir a Amazônia de plantar árvores. Aí, teremos atingido o auge da máxima dissimulação em termos de guerra econômica explicita contra os povos setentrionais.

    O pior é que muitos Psitacídeos amazônicos repetem a mesma cantilena da lavagem cerebral dos nossos algozes.

    A atitude do Dr.Jader Barbalho em chamar os falastrões às falas, como um dos maiores estadistas da região norte, está mais do que perfeita e merece o aplauso caloroso de todos os Amazônicos, independente, das suas bandeiras partidárias.

  5. Anonymous

    19 de julho de 2007 - 13:22 - 13:22
    Reply

    Não adiante quererem falar mal do JADER BARBALHO. Ele é quem sabe os caminhos do desenvolvimento deste estado. Esse problma do governo proibir o etanol em nossa região é mais uma discriminação dos empresários do sul do país. Só que o DOUTOR JADER nào vai deixar o governo nos penalizar de novo.
    João Damasceno Cruz, de Redenção

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *