Hiroshi Bogéa On line

Estoque de sangue do Hemopa precisa de reforço para abastecimento dos hospitais

Quem informa é Vera Rojas:

 

O atendimento transfusional da rede hospitalar do estado pode ficar seriamente comprometido se o banco de sangue da Fundação Hemopa não for restaurado imediatamente. Na manhã desta terça-feira (31), só havia 102 unidades de hemocomponentes a ser liberado, quando o ideal seria de 300 unidades. A carência maior por tipo de sangue, no momento, é de O Positivo e de A Positivo, que são os mais comuns entre a população brasileira.

A estudante Leticia Ferreira Vieira, de 19 anos, que há quinze anos recebe tratamento para Anemia Falciforme (doença genética e hereditária que se caracteriza por uma alteração nos glóbulos vermelhos), sente na pele a dificuldade com a insuficiência do número de bolsas coletadas. “Convido todos vocês que estão bem de saúde para doar sangue. O que vai ajudar muitas pessoas que precisam”, apelou a jovem que reside em Santana do Araguaia, sudeste do Estado. Hoje ela recebeu uma bolsa de sangue em companhia de sua mãe Rosenir Vieira Ferreira, 37, que reforçou o apelo da filha, que faz parte dos mais de 13 mil pacientes ativamente na sede do hemocentro, em Belém.

A acentuada queda do número de bolsas coletadas já está provocando prioridade no atendimento transfusional, como cirurgias eletivas (sem risco de morte) que já estão sendo transferidas para favorecer atendimento de pacientes em estado grave. A gerente de Captação de Doadores do hemocentro paraense, Juciara Farias, reforça que a promoção da doação deve ser um esforço coletivo de instituições parceiras, familiares e amigos de pacientes.

O setor de captação de doadores do hemocentro enfrenta um desafio diário de estimular permanentemente o voluntariado à prática da doação de sangue. Juciara Farias evidencia ainda a importância da atuação do corpo clínico da rede hospitalar no trabalho de educação em saúde. “Colaboradores, familiares e amigos de usuários internados integram o processo de captação de doadores e não podem ficar como expectadores de uma situação que necessita do apoio de todos”, ponderou a gerente.

Demanda – Responsável pela coordenação da Política Estadual de Sangue do Pará, a Fundação Hemopa abastece mais de 200 hospitais conveniados com o Sistema Único de Saúde (SUS), entre eles, grandes emergências, maternidades e Unidades de Terapia Intensiva (UTI´s), correspondendo a cobertura transfusional de aproximadamente 98%.

Em 2015, a hemorrede estadual registrou 126.320 comparecimentos, que corresponderam a 102.163 coletas, resultando em 109.860 unidades de hemocomponentes distribuídos, que ajudaram a salvar aproximadamente 439.440 pacientes no Pará. Atualmente, a população doadora de sangue no Brasil é de 1.9%. Na Região Norte é de 1.5%. No Pará passou de 1.7% para 2.2%, superando a média nacional.

Além da coleta, processamento, armazenamento, irradiação e distribuição do sangue para a rede hospitalar do Estado, o Hemopa disponibiliza serviços de atendimento médico para pacientes portadores de doenças hematológicas, através de equipe multidisciplinar com biomédicos, farmacêuticos bioquímicos, odontológicos, fisioterapeutas, fisiatras, enfermeiras, assistentes sociais, psicólogos e pedagogos, que efetivou 17.394 atendimentos de pacientes entre adultos e crianças, o que não deixa de ser uma pequena amostra da necessidade transfusional da rede hospitalar.

Campanhas para restaurar estoque de sangue- No período de 11 a 18 de junho, a Fundação Hemopa promoverá a campanha “13 é Santo Antônio, 24 é São João, 29 é São Pedro e todo dia é do doador. Doe sangue”, para reforçar o estoque de sangue para atendimento integral das solicitações transfusionais, especialmente em períodos festivos, como a quadra junina.

Paralelamente, o Hemocentro Coordenador, em Belém, aderiu a campanha nacional “Junho Vermelho”, em parceria com o “Movimento Eu Dou Sangue pelo Brasil” para conscientizar cidadãos sobre a importância da doação de sangue. A cada ano, esse movimento ganha apoio e amplitude ao atrair a atenção da população e o engajamento da sociedade civil, da iniciativa privada e de órgãos públicos, com a iluminação na cor vermelha das fachadas de prédios e monumentos, do dia primeiro 1° ao dia 30 de junho.

Outra importante parceria para aumentar o número de coletas é a campanha que está sendo realizada pelo Arraial do Pavulagem, grupo folclórico que anima os domingos da quadra junina pelas ruas de Belém, desde o último dia 12, visando abastecer o estoque do Hemopa. A iniciativa vai até o dia 11 de junho, quando sairá o primeiro cortejo junino de 2016.

Critérios da doação: Podem doar sangue pessoas com boa saúde, que tenham entre 16 e 69 anos e pesem acima de 50 quilos. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original e com foto, além de estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *