Hiroshi Bogéa On line

Esse poente desigual

Mistura de luzes refletidas no pequeno monte de areia do outro lado do Tocantins. Um cucurute da Praia do Tucunaré aparecendo, porque o verão chegou.

As águas do rio não têm pressa em vazar por que o mar está sempre à espera, nada de correrias.

O barco atravessa em mansos banzeiros os primeiros banhistas na tarde que se vai, formando o pôr do sol mais belo do mundo.

Cada um tem o seu poente em seu lugar amante, cada qual mais belo que o outro.
Igual ao de Marabá, não se discute.
Post de 

10 Comentários

  1. Hiroshi Bogéa

    26 de maio de 2008 - 18:07 - 18:07
    Reply

    Franss, te respondo com versos do Titãs:

    Devia ter amado mais,
    ter chorado mais
    Ter visto o sol nascer
    Devia ter arriscado mais
    e até errado mais
    Ter feito o que eu queria fazer
    Queria ter aceitado
    as pessoas como elas são
    Cada um sabe a alegria
    e a dor que traz no coração
    O acaso vai me proteger
    Enquanto eu andar distraído
    O acaso vai me proteger
    Enquanto eu andar
    Devia ter complicado menos,
    trabalhado menos
    Ter visto o sol se pôr
    Devia ter me importado menos
    com problemas pequenos
    Ter morrido de amor
    Queria ter aceitado
    a vida como ela é
    A cada um cabe alegrias
    e a tristeza que vier
    O acaso vai me proteger
    Enquanto eu andar distraído
    O acaso vai me proteger
    Enquanto eu andar
    O acaso vai me proteger
    Enquanto eu andar distraído
    O acaso vai me proteger
    Enquanto eu andar
    Devia ter complicado menos,
    trabalhado menos
    Ter visto o sol se pôr
    ————–

    Beijos e volte sempre para ver o seu Sol.

  2. Franssinete Florenzano

    26 de maio de 2008 - 17:57 - 17:57
    Reply

    Hiro, emociona ainda mais ver essa foto linda de Marabá e sabê-la tão parecida com a que tirei na semana passada, em cima de um barco que saía de Santarém para Oriximiná, na sexta-feira à noitinha… Fazia uns 13 anos que eu não experimentava essa visão. Foi demais. Revigorante. Bela até o fundo d’alma. Durante todos esses anos eu – engolida pelo acelerado ritmo do dia-a-dia, deixei de ver esse esplendor que está, todos os dias, disponível. E me reforça a convicção de que nunca mais vou relegar a vida – pessoal e espiritual – a segundo plano. Beijo grande!

  3. Anonymous

    22 de maio de 2008 - 03:30 - 3:30
    Reply

    Os encantos de Marabá são para aqueles que não vêem o mundo em volta apenas na superfície. Contemplar é muito mais que enxergar é descobrir, é ler e se deliciar com que o nosso mundo nos diz todos os dias.

  4. Cris Moreno

    21 de maio de 2008 - 20:57 - 20:57
    Reply

    Menino, por que está saindo assim, como anônimo?

    Beijos.

  5. Hiroshi Bogéa

    21 de maio de 2008 - 20:45 - 20:45
    Reply

    Fui lá, li e adorei. Você, como sempre, estimulando a blogosfera!
    Beijos

  6. Anonymous

    21 de maio de 2008 - 20:45 - 20:45
    Reply

    Menino, levei todo o post para o crisblogando. Que maravilha!

    Beijos.

  7. Anonymous

    21 de maio de 2008 - 18:43 - 18:43
    Reply

    É apenas um dos milagres do PT.

  8. Cris Moreno

    21 de maio de 2008 - 16:30 - 16:30
    Reply

    Menino, levei para o crisblogando.

    Beijos.
    Está lindo. Tudo!

  9. Anonymous

    21 de maio de 2008 - 04:02 - 4:02
    Reply

    Lulinha que ultimamente foi flagrado envolvido em transações milionárias com operadoras telefônicas acaba de se tornar o mais novo latifundiário do país. Acabou de comprar a fazenda Fortaleza (de porteira fechada), localizada às margens da rodovia Marechal Rondon, município de Valparaíso-SP, de propriedade do Sr. José Carlos Prata Cunha, um dos maiores produtores de boi Nelore do Brasil, pela simples bagatela de R$ 47.000.000,00 (quarenta e sete milhões de reais).

    Ninguém é proibido de prosperar, de enriquecer ou de se tornar fazendeiro, mas gostaria de saber como em menos de cinco anos isso é possível honestamente e sem usar influência política de papai ou negociatas clandestinas. E o que é pior, gostaria de saber como um filho de presidente de uma república, que é uma das 15 potencias econômicas do mundo consegue da noite para o dia virar milionário sem que a imprensa nada divulgue, investigue ou denuncie.

  10. Anonymous

    20 de maio de 2008 - 20:14 - 20:14
    Reply

    Marabá terra de meus encantos
    Capim em todos os lados
    Merda em todos os cantos.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *