Hiroshi Bogéa On line

Esse pavor da morte

Como não tirei férias, procurei sossego no sábado. Sossego mesmo, daqueles de deitar-se numa rede e ficar pensando na vida, sem ligar TV, Rádio ou Internet. Somente pela manhã de domingo, saí de meu auto-isolamento para saber como estava Lauande na luta para escapar da morte, e acessei, desconfiado e sem muitas esperanças, o Quinta. Li na parte final de um post o aviso do Juvêncio, em negrito, indicando o local onde o corpo estava sendo velado. Desliguei o computador e me recolhi, abatido, sentindo-me fragilizado.
Nunca me habituei com a lógica da morte. Considero-a um dos raros momentos da falta de criatividade de Deus. Se ele ‘pintou’ a Vida com a sua extraordinária beleza e mistérios, pra quê chamuscá-la com sua antítese?
Dois tiros em Lauande provam que não somos mais que poeira cinzenta. Pedra e cal. Mãos sem rasto. De repente, diante da antítese da vida, imagino sermos apenas um rio que se esgota, secando gota a gota. Ou uma frase inacabada.

Post de 

3 Comentários

  1. hiroshi

    30 de julho de 2007 - 13:01 - 13:01
    Reply

    Corrigindo: NOS (sem acento) tornamos amigos…

  2. hiroshi

    30 de julho de 2007 - 13:00 - 13:00
    Reply

    Eu não o conhecia pessoalmente. Mas o conhecia profundamente, lendo seus textos. Nós tornamos amigos por osmose. Grandes amigos, acredite.
    Beijos, Cris.

  3. crisblog

    30 de julho de 2007 - 12:40 - 12:40
    Reply

    Hannah Arendt :

    “O desejo de imortalidade terrestre é blasfêmia, não porque queira eliminar a morte, mas porque nega o nascimento”.

    Linda a homenagem que você está fazendo ao Lauande. Sofri muito, após a notícia. Éramos amigos.

    Beijos.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *