Hiroshi Bogéa On line

Equipes da Semed estão sendo hostilizadas

 

Equipes de dirigentes da Semed formadas para discutir com diretores e demais servidores da Educação,  estão sendo hostilizadas,  nas escolas, por dirigentes do Sintepp.

Essa informação acaba de ser passada ao blog por educadores que assistiram, esta manhã, a Coordenadora de Ensino da secretaria de Educação,  Floripes  de Amaral,  ser praticamente impedida de adentrar uma escola, na Nova Marabá, quando estava conversando  com os servidores.

Equipes foram formadas para levar ao conhecimento dos dirigentes escolares, dados que a prefeitura vem oferecendo à população, comprovando o que foi feito até agora a favor da categoria e o quanto  a greve decretada pelo sindicato, é inadequada.

A receptividade das conversas das equipes da Semed com os servidores, dentro das escolas, tem sido a melhor possível, na avaliação da fonte.

O blog ouviu também, minutos atrás, o líder do governo na Câmara, vereador Pedro Souza.

“As equipes que visitam as escolas não estão  mentindo, não estão  inventando nada, nem colocando a faca no pescoço de ninguém: apenas levamos a verdade aos servidores, mostrando, com números, a real situação da prefeitura e o que já conseguimos avançar, em um ano de governo, mesmo diante das dificuldades. Esta administração não ameaça ninguém, não atua com autoritarismo”, revela o vereador Pedro Souza, que também participa dos encontros nas escolas.

Hoje pela manhã, grupo de menos de 100 pessoas, liderados pelo Sintepp, realizou manifestações em pontos da cidade.

O prefeito João Salame já determinou a Semed: negociação somente com o retorno dos grevistas à sala de aula.

Post de 

3 Comentários

  1. Osvaldo Cruz

    6 de fevereiro de 2014 - 10:25 - 10:25
    Reply

    Lutar pelos direitos e direito de cada cidadão mais vim a ferir os direitos dos outros ja foge a realidade, e o que esta acontecendo hoje em Marabá provocada por um sindicato cujo a indole é duvidosa, por que o que vemos são alguns sindicalistas procurando barganhar algo para si e não lutar por uma categoria como eles colocam. Acredito nessa atual gestão sim mais como todas tem suas falhas, mais o que esses camaradas achavam que nessa gestão de governo seria a mesma coisa como anteriormente mais esbarraram em um prefeito de peito. Essa categoria precisa acordar pra que esses tais sindicalista deixam de se beneficiarem a si proprios e lutarem de verdade pela suas categorias. Tem sindicalista ai que possui caminhonete, chacaras, casas e outras posse, tudo adquirido apartir do sindicato, será que eles buscam mesmo o interesse de uma categoria? /Será?
    Ao prefeito so apenas peço que abra os olhos pois não é apenas a má gestão do secretario Bressan que anda mão, da qual pode até ser justificada pela falta de eficiência de seu financeiro cujo quem assumi e uma pessoa totalmente fora da realidade de uma gestão comprometida, a educação precisa de pessoas capazes, e ainda tem o tal vereador que lider de governo que se acha o bambam impedindo também que a educação avance cujo seu sonho e assumir aquela pasta. Por tanto seu prefeito cuidado com os que estao proximo do senhor pois o tal vereador procura fortalecer a si mesmo e não este governo do qual demonstra capacidade.

  2. Hemerson Silva

    4 de fevereiro de 2014 - 19:48 - 19:48
    Reply

    Lembro que na mandato anterior ao do João Salame os professores fizeram uma manifestação pedido alimentos na ponte porque não recebiam nem para as dispezar basicas, no mandato do Salame os profº recebem sempre em dia e receberam os atrasado da gestão passada.
    Acredito que todos devem lutar pelos seus direitos e buscar o melhor para si, contudo a forma que eles estão fazendo é totalmente errada. Os profº querem seus direitos pra já e não estão se importando em prejudicar os alunos, os que eles teriam que está ajudando

  3. Francisco Pereira

    4 de fevereiro de 2014 - 13:03 - 13:03
    Reply

    O Prefeito tem que manter a postura de não negociar c/ o SINTEPP pois o que eles os dirigentes querem é justamente criar fatos e não criar solução

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *