Equipe treinada e qualificada do serviço 190 da Segup socorre vítima de violência doméstica que pedia açaí no canal de denúncia

“Ela ligou pedindo um açaí. Ainda na ligação, perguntei de onde ela falava e qual endereço estava. Após confirmação do endereço, questionei se ela estava em perigo, e ela confirmou. Diante das respostas secas e diretas pude identificar que se tratava de uma ligação verídica. Imediatamente direcionei a ligação ao despachante, que deslocou a viatura ao local indicado”.

 

Foi assim que uma atendente do serviço 190 da Segup, em Belém, reagiu ao entender que do outro lado da ligação telefônica havia uma mulher em perigo, sofrendo violência doméstica, mas que não podia pedir ajuda explicitando claramente o que se passava em sua casa.

Com mensagem codificada, a vítima sinalizou ajuda ao atendente simulando que estava pedindo algo para ser entregue no domicílio.

Bem treinada, a atendente tomou providências, e a pessoa espancada pode ser socorrida em questão de minutos.

O fato aconteceu na manhã desta quarta-feira, 23.

Uma mulher vítima de violência doméstica utilizou uma forma inusitada para pedir socorro ao Centro Integrado de Operações (Ciop).

Ela ligou para o canal de denúncia de urgência e emergência mantido pela Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup).

Durante o atendimento, a vítima pediu “açaí”, usando um código para informar que precisava de ajuda.
Essa é uma estratégia que vem sendo utilizada por mulheres vítimas de violência doméstica no País.

Após o atendimento, uma viatura da Polícia Militar foi deslocada até o local indicado, onde os policiais socorreram a vítima.

Em seguida, o agressor foi localizado, detido e apresentado na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), em Ananindeua.

O secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, Ualame Machado, reforça a importância da denúncia e o treinamento dos atendentes para decodificar as mensagens passadas nas chamadas ao 190.

“É importante que a vítima ligue para o 190 e colabore conosco, para que possamos saber o que ocorre dentro do lar. No caso específico, a vítima, além de ter ligado pro 190 do Ciop, também utilizou de um artifício para que seu agressor não soubesse e não identificasse que estava acionando à polícia. Ao fazer o pedido de açaí, os nossos agentes, como são treinados para qualquer tipo de situação que envolva uma violência, e também para decodificar qualquer mensagem que possa estar subentendida, perceberam que ali estava sendo feito um pedido de ajuda. A viatura foi encaminhada até o local, onde encontraram a vítima, e em seguida localizaram o agressor, que foi conduzido à delegacia da mulher para procedimentos”, relatou o titular da Segup.

Depois de preso, o agressor foi conduzido à unidade policial.

A vítima passou a integrar o programa de medidas protetivas, e contará com acompanhamento e orientação das equipes policiais.