Enxugando água

Sempre que uma nova diretoria assume as rédeas da Amat, o tema volta à baila: reduzir a elefantíase estrutura da entidade em Belém. Só pra se ter idéia: os custos da associação com pessoal representam quase 50% do orçamento. Gente a mais para resultado bem menos.

Não é a toa que a Amat transformou-se, nos últimos dez anos, numa morféia aparentemente sem cura.

Darci Lermen, ao assumir ano passado a presidência, entre seus associados, prometeu migrar para a sede de Marabá grande parte da estrutura administrativa, demitindo quadros improdutivos na capital. A célula em Marabá da Associação dos Municípios do Araguaia-Tocantins funciona com apenas duas funcionárias.

O mandato de Darci terminou e a estrutura de Belém continua a mesma. Ou maior.

Dizem que há pressões políticas do governo e de políticos em geral contra a redução dos quadros da capital. Muitos apadrinhados não podem perder a mamata.

Papo rolado durante a eleição da nova diretoria, terça-feira, era de que agora Valciney Gomes faria o trabalho de enxugamento do órgão. O blogger paga pra ver.

Futuro de Selma
Comentava-se também à boca miúda o futuro da atual secretária-executiva Selma Rodrigues, irmã do ex-prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues. Há prefeitos garantindo que Darci teria trabalhado pela eleição de Valciney com o compromisso deste manter a secretaria sob controle de Selma.

Logo, logo saberemos se é verdade ou não.