Enquanto os economistas e o mercado preveem o caos, o Brasil “bomba”

Publicado em 26 de setembro de 2013

 

 

A taxa de desemprego do país bate recorde de queda.

Enquanto nos Estados Unidos o desemprego chega a 7,6%, no Brasil é de 5,6%.

E agora, o que dirão os urubulógolos da desestabilização?

A economista Mirian Leitão?

E os analistas de mercado?

—————-

Atualização às 11:00

 

Para não esquecer: a taxa de desemprego no Reino Unido está em  R$ 7,7%.

E em toda a Europa, bate os 11%.

Quer mais?

—————

Atualização às 13:05

 

Publicado no Tijolaço pelo jornalista Fernando Brito:

 

 

Ontem, escrevi aqui sobre a desmoralização do jornalismo econômico brasileiro e dos jornais em geral, transformados em pasquins de propaganda oposicionista.

Não foram necessárias nem 24 horas para essa triste confirmação.

O IBGE divulgou há pouco a taxa de desemprego: 5,3%, igual à menor taxa já registrada (em 2012) neste mês em todos os tempos, desde que foi iniciada a pesquisa.

Está aberta, como você vê no gráfico, a possibilidade de chegarmos ao final do ano com um recorde em matéria de baixo desemprego.

E isso num mundo notoriamente em crise de emprego.

Mas a Folha, com seu jornalismo de campanha, o máximo que faz é dizer que a taxa de desemprego desacelera. Quase conseguiu escrever que “o desemprego sobe para baixo”.

E ainda comete a desonestidade de comparar com dezembro, quando tão certo quanto chuva molha, sempre registra uma forte queda na taxa.

E o mais importante nem é só isso.

O IBGE registrou uma forte elevação no rendimento médio real das pessoas ocupadas. Isso é sinal de intensificação da atividade econômica, porque reflete horas-extras, comissões e elevação dos ganhos da atividade informal e vai repercutir na elevação dos níveis de consumo, o que vem sendo o calcanhar-de-aquiles da economia, medida pelo PIB.

Esse indicador vinha em queda contínua praticamente desde o início do ano, excluído o mês de janeiro, que reflete o reajuste do salário mínimo e, por isso, registra sempre elevação.

O que a imprensa brasileira faz já passou de “torcida”. Passou a ser uma mistura de sabotagem, burrice e incapacidade de análise.

Inútil, porém, contra os fatos reais.