Hiroshi Bogéa On line

Engenheiro assume queda do Real Class

O engenheiro civil Raimundo Lobato Silva, em entrevista nesta terça-feira à Metropolitana FM,  de Belém, assumiu responsabilidade pela queda do Real Class. Segundo ele, no seu projeto de cálculo, “não foi considerada a força do vento”.

Clique no player abaixo para ouvir a entrevista do engenheiro.

————————–

Atualização às 11 hs (16/03)

Entrevista do engenheiro foi concedida a Carlos Baia, da FM.

Post de 

5 Comentários

  1. Anonimo

    21 de outubro de 2011 - 15:34 - 15:34
    Reply

    Agora há um segundo caso.. um novo edifício “classe A”, comprometido pelo mesmo engenheiro, o que acham???

  2. Paulo de Souza

    23 de abril de 2011 - 07:33 - 7:33
    Reply

    Este engenheiro concedeu entrevista em extrema situação de stress. Percebe-se claramente que é uma pessoa muito ética, que não quer envolver ninguém. Já que estamos na Semana Santa, podemos dizer que é um Cristo.
    As investigações devem continuar, de modo mais profundo e abrangente. Entendo que o fato de ele assumir a responsabilidade não acaba com a necessidade de se verificarem as causas reais.
    Todo réu tem direto de defesa.

  3. Bernarda Alves

    20 de abril de 2011 - 14:28 - 14:28
    Reply

    Olá

    Espera, não considerar a ação do vento não derruba prédio…Claro que tem que considerar…é norma e de bom censo considerar…DEVE ser considerado…Mas não quer dizer que vair cair prédio por isso…

    Essa entrevista só vai relaxar mais as investigações…e o concreto ? Atendeu as especificações ? Os laudos são realizados sob qual aspecto ? Verificação de projeto por si só face as normas ? Verificações “reais” face a ruptura de elementos estruturais ?…falta muita coisa nisso tudo aí e essa entrevista só vai atrapalhar a investigação…e piorar as coisas pra ele…enfim…

    Abraços

  4. Marcelo

    20 de abril de 2011 - 13:55 - 13:55
    Reply

    Boa tarde
    O engenheiro não está assumindo a responsabilidade pela queda, mas assumiu que não considerou a ação do vento na elaboração do edifício, são coisas diferentes.
    Considerar a ação do vento é obrigatório por norma e sempre foi, porém, pela antiga norma permitia sua desconsideração dentro de alguns parâmetros.
    Daí a falar que isso provocou a queda…esperem…a investigação deve ir mais além até total certeza…
    Abraços

  5. Flávio Santos

    15 de março de 2011 - 17:58 - 17:58
    Reply

    Bom, e agora?

    já que o engenheiro é réu confesso, acaba por aí e não sobra nada pra real engenharia?

    aguardemos os tais laudos oficias.

    parabéns pela postagem hiroshi.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *