Hiroshi Bogéa On line

Encarando a matilha

Os invasores profissionais de terra – contratados para o cumprimento de missões a interesse de terceiros – não estão nada satisfeitos com o relatório do MDA atestando a legalidade do plano de manejo florestal executado numa fazenda da Globe Metais, em Breu Branco. Ontem, no final da tarde, corriam rumores de que eles iriam se insurgir à divulgação do laudo técnico do Ibama certificando a idoneidade do projeto de reflorestamento, o que torna a área imprópria à política de Reforma Agrária do Incra – conforme querem por que querem os foras da lei -, iniciando uma série estratégica de novas invasões da Ouro Verde.

Só que nas imediações da fazenda os “sem-terra” e “sem-tora” tem pela frente parada indigesta: o diretor de Polícia do Interior, Miguel Cunha Filho, linha dura no combate ao crime. Em poucos dias encarando a súcia, o policial, com ajuda da PM, enjaulou mais de 60 marmanjos, autuando-as.

Esse rapaz merece ser olhado com mais atenção dado o altíssimo nível profissional e seriedade com que enfrenta a criminalidade. Se derem amplo apoio a ele, há esperanças, sim, de redução da violência no interior.

Post de 

4 Comentários

  1. Marky Brito

    4 de outubro de 2007 - 16:30 - 16:30
    Reply

    Caro Hiroshi,

    Nunca entendi o que é um “sem-tora”. É um madeireiro sem floresta? É um grupo de paus-mandados de madeireiros? É tudo isso misturado?

    Por lei é proibido invadir áreas sob manejo florestal, ainda mais se estiverem em áreas de reserva legal, onde só é permitido fazer exploração através do manejo. Todas essas áreas são averbadas em cartório para o uso restrito através da exploração florestal, madeireira e não-madeireira. Portanto, é crime retirar uma folha sequer de uma área de manejo florestal sem a devida autorização.

    De novo, esta é uma situação que mostra claramente o despreparo e falta de sintonia do poder público no trato com o setor florestal paraense. Pois, a não ser por alguns heróis e malucos, não há gente e nem estrutura suficiente para monitorar de forma eficaz essas áreas. Além disso, infelizmente o Pará, assim como o resto dos estados amazônicos, não tem uma cultura florestal. Não, eu não fiquei maluco. A não ser pela comida e alguns costumes, não aprendemos nada de cultura florestal com os índios e ribeirinhos. Não há respeito algum pela floresta ou pela gente que mora nela. São reles entraves para o progresso.

    Que me desculpem alguns xenófobos e nacionalistas leitores do “Máfia Verde”, mas países como o Canadá e Finlândia tem uma cultura fortemente enraizada na floresta, sua economia e meio de vida são florestais. No Canadá os vaqueiros são considerados gente fraca, pois a gente forte está no meio da floresta manejando. E no Pará, qual é a imagem de quem vive e cuida da floresta? Malucos, o coitadinho é índio, ribeirinho, madeireiro bandido.

    A Finlândia comprou mais da metade do país dos russos, pois os finlandeses são índios que vivem da floresta. Eles pagaram a compra trabalhando na floresta e inventaram um troço chamado celular para se comunicar no meio do mato (se não me engano o nome da empresa que o inventou é Nokia). Já aqui o nosso BASA adora uma fazendona, um frigorífico, uma caninha, mas corre do manejo florestal, pois é muito arriscado esperar trinta anos para se ter uma nova colheita de madeira. Então vamos dar boi pra todo mundo.

    Para nós a floresta é linda de longe, como paisagem de cartão postal. Mas só agüenta viver mesmo da floresta quem é índio, ribeirinho/colono ou madeireiro (que nem mora na sua “fazenda florestal”, mas vive dela). O resto quer ou só pode viver na e da cidade ou nas fazendas/fazendolas, como nossos conterrâneos do sul e sudeste do país. Hoje o modelo de gente amazônica ou é urbana ou agro-alguma-coisa. Quem mora “no interior” é atrasado.

    É difícil viver na floresta amazônica, ela é muito mais agressiva que as florestas canadenses e finlandesas. Além disso, o poder público em quase nada ajuda e quando tenta, realizando, por exemplo, as concessões florestais, é acusado de privatizar a floresta que estava nas mãos de grileiros e outros seres infernais.

    É crime retirar madeira de áreas de manejo. É crime devorar a floresta nativa para fazer carvão (loucos! Diriam os canadenses e índios finlandeses). Mas, quem se importa? Quem é o político paraense maluco de tomar o setor florestal como estratégico para o futuro do estado? Você consegue imaginar a região do baixo amazonas igualzinha a região do Rio Vermelho?

    Abração!

  2. Anonymous

    3 de outubro de 2007 - 03:19 - 3:19
    Reply

    hiroshi,
    concordo contigo, o Miguel Cunha, possui uma extrema,competencia,aliada a habilidade politica. O Diário OFICIAL DO estado do dia 28 de setembro, publica a licitação para a construção da Delgacia de Policia de Nova Ipixuna, um compromisso do MIGUEL CUNHA, quando esteve em Nova Ipixuna.

  3. Anonymous

    2 de outubro de 2007 - 13:29 - 13:29
    Reply

    A Fetagri está se degenerando.

  4. Anonymous

    2 de outubro de 2007 - 12:43 - 12:43
    Reply

    E A FETAGRI QUE NÃO SE AMANIFESTA, CADÊ?

    DEPOIS DO QUE A POLÍCIA FLAGROU O ROUBO DE MADEIRA E A DESTRUIÇÃO DA ÁREA DE MANEJO CERTIFICADA-UMA DAS POUCAS NO PARÁ- AINDA HÁ RISCO DA OCUPAÇÃO CONTINUAR

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *