Empresário marabaense arremata em leilão nacional antigo prédio da Casas Pernambucanas

Publicado em 31 de maio de 2013

 

 

Empresário Janary Damacena, proprietário da marina JC Náutica, arrematou, em São Paulo, o imóvel onde por mais de quarenta anos, funcionou, em Marabá,  uma das filiais do grupo varejista  Casas Pernambucanas.

O leilão, em sua terceira tentativa, foi finalizado com proposta do empreendedor marabaense.

Agora há pouco, pelo telefone, Janary confirmou o arremate do imóvel, onde pretende elevar um negócio na orla da cidade.

A casa adquirida fica na Av. Marechal Deodoro, esquina com rua estreita que liga a orla à praça Duque de Caxias.

No leilão bastante disputado, Janary foi representado pelo seu filho Raul Damacena, advogado residente em Brasília.

“Tenho dois projetos em mente, mas só definirei  o destino que darei ao imóvel depois de conversa que terei com meu filho Ciro”, esclarece Janary,  indagado sobre o que pretende construir no local.

Ciro Damacena é formado em Administração, e decidiu residir em Marabá, depois de concluir seus estudos, em Brasília.

Pernambucanas é uma rede varejista brasileira  fundada no início do século 21 sueco Herman Lundgren, que adquiriu, em Pernambuco,  a Companhia de Tecidos Paulista. Por muitos anos foi uma das maiores redes de venda de tecidos do Brasil.

Atualmente, é a  décima terceira maior re4de varejista do país, segundo ranking do Ibevar em 2012.

Durante décadas em Marabá, sob a gerência de Eduardo Chuquia,  Casas Pernambucanas  fazia sucesso pela diversificação de seus produtos, entre tecidos e roupas oferecidas.

Apesar de se chamar “Pernambucanas”, remetendo ao estado onde o imigrante sueco se estabeleceu ao chegar ao país e onde ainda moram muitos de seus descendentes, a rede não possui mais lojas em Pernambuco, desde a década de 80.

Após uma disputa entre os herdeiros nas décadas de 1970 a 1990, as operações de Pernambuco e do Ceará, bem como suas filiais das demais cidades do Norte e Nordeste desapareceram  -, e os negócios no Rio de Janeiro foram à falência. Apenas a Arthur Lundgren Tecidos, com operações em São Paulo, prosperou e hoje compete com os grandes concorrentes do segmento de varejo no país.

Hoje, após cem anos de sua fundação, está presente em sete Estados – São Paulo, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina – por meio de 295 lojas e mais de 15 mil colaboradores.

Sua estrutura inclui três centros de distribuição (dois em Barueri/SP e um em Araucária/PR).

 

Durante décadas, nessa esquina funcionou a Casas Pernambucanas. O imóvel agra pertence a um marabaense.
Durante décadas, nessa esquina funcionou a Casas Pernambucanas. O imóvel agora pertence a um marabaense.