Emboscada mata em Serra Pelada

Publicado em 22 de novembro de 2008

Um garimpeiro de 72 anos foi morto hoje na estrada que liga a Pa-275 ao garimpo de Serra Pelada. A vítima se encontrava no interior de um dos dois ônibus que transportavam garimpeiros depois que homens não identificados, atirando do alto de um morro, emboscaram os veículos, próximo 10 km do garimpo, com intuito de pontuar um massacre.

Segundo informações procedentes de Curionópolis, os dois ônibus haviam sido contratados para levar garimpeiros para a solenidade de posse da comissão interventora da Coomigasp, que terá na presidência o coronel reformado do Exército, Guilherme Ventura, indicado ao cargo pelo ministro das Minas e Energia, Edison Lobão.

A vítima é um conhecido garimpeiro de nome Manoel Batista de Oliveira.

Pessoas ligadas a uma entidade de nome Associação Nacional dos Garimpeiros de Serra Pelada (Agasp), conforme relata a fonte de Curionópolis, estão acusando o indivíduo Zé Maria como suposto organizador da emboscada, que teria como alvo principal assassinar Gesse Simão, considerado o novo líder dos garimpeiros, que se encontrava em outro carro não atingidos pelos tiros.

Em Curionópolis, depois do atentado, o próprio Gesse passou a acusar Zé Maria como responsável pelo crime.

———–

atualização às 16:35

Mais de quarenta garimpeiros prestam depoimento, neste momento, ao delegado de Curionópolis, Nelson Lima, a maioria integrantes do comboio que se dirigia à Serra Pelada alvo de emboscada que resultou na morte de Manoel Batista. Os depoimentos pesam contra dois membros da Coomigasp, José Raimundo da Silva, mais conhecido por Zé Maria e seu parceiro Raimundo Maligno, acusados pelos depoentes de mandantes do ato criminoso.

O delegado recebeu orientação do Diretor de Interior da Polícia Civil, Miguel Cunha, para pedir à Justiça a prisão dos supostos autores intelectuais da emboscada – caso haja consistência nos depoimentos lavrados na delegacia de Curionópolis.

Sabe-se agora devem ter sido três pessoas autoras dos disparos contra os dois ônibus que transportavam cerca de oitenta garimpeiros. Os atiradores estavam postados no alto de um morro aguardando a passagem do comboio. A saraivada de projéteis atingiu frontalmente a parte dianteira do primeiro coletivo, danificando pára-brisa e vitimando fatalmente o velho garimpeiro. Outras duas pessoas ficaram feridas pelos resíduos de vidros espalhados.