Hiroshi Bogéa On line

Em liberdade, matadores de Tim Lopes

A “boa” última decisão tomada ao apagar de 2008:

Seis anos após o assassinato do jornalista Tim Lopes, dois acusados pelo crime conseguiram o benefício de cumprir a pena em regime semi-aberto.

Claudino dos Santos Coelho, o Xuxa, e Cláudio Orlando do Nascimento, o Ratinho, condenados a 23 anos e 6 meses de prisão, por decisão da Justiça, conseguiram a chamada Progressão de Regime porque já cumpriram um sexto da pena.

Cláudio e Claudino também passaram por avaliações psicológicas e foram considerados presos de bom comportamento. Com o benefício, os dois têm o direito de pedir autorização para deixar a cadeia durante o dia para trabalhar. Em julho de 2007, um outro condenado pela morte de Tim Lopes ganhou o direito de visitar a família periodicamente. Elizeu Felício de Souza, o Zeu, aproveitou o benefício para fugir.

O traficante Elias Maluco também ganhou o benefício antes de comandar o crime. Ele cumpria pena por seqüestro. Solto, ele teve tempo de matar o jornalista.

Tim foi torturado e morto quando fazia uma reportagem sobre exploração sexual infantil na favela da Grota, em Vila Cruzeiro, na Penha.

Enquanto Ele brilhar….

Mas, enquanto houver sol – como nos ensina Sérgio Brito, na canção gravada pelos Titãs -, ainda haveremos de acreditar, um dia, na força da Justiça.

Na Justiça dos homens, bem claro fique.

A Justiça de Deus, para quê?

Não ocupemos Ele com coisas imprestáveis. Isso deve ficar para nós, aqui na Terra.

Um dia, enquanto houver Sol espraiando-se sobre consciências, a Justiça, mesmo tarde, desdobrará imenso sorriso no rosto deste país que tanto amamos.

Quando não houver saída
Quando não houver mais solução
Ainda há de haver saída
Nenhuma idéia vale uma vida…

Quando não houver esperança
Quando não restar nem ilusão
Ainda há de haver esperança
Em cada um de nós
Algo de uma criança…

Enquanto houver sol
Enquanto houver sol
Ainda haverá …

Quando não houver caminho
Mesmo sem amor, sem direção
A sós ninguém está sozinho
É caminhando
Que se faz o caminho…

Quando não houver desejo
Quando não restar nem mesmo dor
Ainda há de haver desejo
Em cada um de nós
Aonde Deus colocou…

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *