Eletronorte confirma para 2015 início das obras da hidrelétrica de Marabá

Publicado em 4 de junho de 2013

 

 

Prefeito João Salame foi recebido pela diretoria da Eletronorte, em Brasília, para tratar das obras da hidrelétrica de Marabá.

Ademar Palocci, diretor de Planejamento e Engenharia da estatal, garantiu ao prefeito que o start da construção será dado, a partir de 2015, seguindo organograma que prevê, inclusive, aporte de recursos para um projeto de desenvolvimento para o município –  conforme  reivindicação levada pelo prefeito.

Na audiência, Salame conseguiu aprovação, por parte da Eletronorte, para a formação de um Grupo de Trabalho,  representando Marabá,  destinada a acompanhar todos os movimentos do projeto de construção da barragem.

Palocci  ratificou,  a inclusão, no projeto, de duas eclusas, que deverão ser construídas desde que haja recursos aprovados para tal.

“A partir da formação da comissão, passaremos a lutar, politicamente, para que sejam incluídos nos orçamentos anuais, dinheiro para a construção das eclusas, paralela a edificação da barragem”, revela o prefeito.

João Salame esteva acompanhado de um grupo de vereadores.

———————

Atualização às 19:55

 

A obra da hidrelétrica de Marabá vai consumir recursos da ordem de R$ 5 bilhões.

Usina de grande porte, comparativamente, representará 1/4  de Tucuruí.

Em cinco anos de construção, a obra vai gerar aos sofres públicos cerca de R$ 375 milhões de ISS.

Sua licitação está programada para janeiro de  2015, enquanto a obra é para começar em meados do mesmo ano.

No estágio de negociação com os povos indígenas, está faltando negociar acordo final apenas com a comunidade Parkategê, da tribo Gavião. Nesse debate, a Eletronorte já concordou em aceitar a indicação, por aquela etnia,  de um antropólogo, para acompanhar os estudos de impactos ambientais.

O Grupo de Trabalho a ser constituído por representantes da Prefeitura de Marabá, Câmara Municipal e Eletronorte já deverá estar formado até o dia 17 de junho, ficando,  este GT, dedicado a discutir  os estudos de impactos ambientais,  elaboração de projetos de desenvolvimento para o município, formação de mão de obra e,  também, preparando Marabá para usufruir os benefícios do grande empreendimento.