Edmilson impõe postura de cabano na CF

Publicado em 19 de março de 2015

 

Deputado federal Edmilson Rodrigues (Psol) vem honrando os votos dos paraenses.

Em seguidas intervenções da tribuna, o parlamentar tem defendido temas que são caros aos brasileiros e, particularmente, aos paraenses.

Em pelo menos três acalorados discursos, Edmilson imprime autenticidade ao mandato pedindo celeridade no debate da Lei Kandir.

“O meu sonho é que a Lei Kandir seja extirpada da Constituição Federal porque agride a soberania e a autonomia dos estados. Sou contra a Lei Kandir e vou lutar para que seja ao menos regulamentada a fim de que o governo federal pague a justa compensação pelo não recolhimento do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na exportação de minérios. Nós (Pará) perdemos mais de R$ 30 bilhões por conta da não regulamentação”, disse numa das intervenções.

Sobre taxar as grandes fortunas, medida que até agora os acachadores – usando termo de Cid Gomes – não aprovaram, atendendo apelos dos grandes empresários nacionais, Edmilson também já se posicionou:

 

–  “Essa prosperidade de um número cada vez mais reduzido de agentes hegemônicos é que provoca a inquietação da grande maioria do povo. E que começa a abandonar inclusive o governo que apoiou e a presidente que acaba de ser reeleita. Eu queria dizer que há outros caminhos possíveis, e é triste perceber que quando se discute o orçamento e as saídas para a crise, os que governaram outrora e os que governam agora tem fórmulas muito parecidas. O Brasil merece mais. O caminho não pode ser o de massacrar os que vivem do salário, tirar direitos, afogar os que já estão em situação total de imersão. O Brasil precisa de um projeto alternativo de desenvolvimento, regular o único dos sete impostos federais que até agora não foram regulados que é o imposto sobre as grandes fortunas. Não se pode querer superar a crise, beneficiando os ricos e os enriquecendo ainda mais a custa da miséria aprofundada nos lares dos pobres e dos trabalhadores brasileiros”.