Hiroshi Bogéa On line

É preciso pontes

Inda agora, o poster conversou em Parauapebas com o consultor de uma empresa contratada pela SETRAN para analisar os pontos críticos da Pa-275, entre Eldorado e Parauapebas. No relatório a ser entregue a Valdir Ganzer, secretário de Transportes, três pontes terão que ser construídos em lugar dos antigos bueiros carregados pelas águas.

O volume de água formado pelo represamentto das chuvas, desde 2005, vem aumentando, nos pontos onde ocorreram os desmoronamentos.

Apenas pontes serão capazes agora de escapar da preessão líquida exercida pelos igarapés da região, nos locais apontados.

Post de 

4 Comentários

  1. Adir Castro

    10 de maio de 2009 - 15:42 - 15:42
    Reply

    É lamentável vermos como “trabalham” as pessoas que se oferecem para administrar ao que é “público”. Se aproveitam para ganhar alguns trocados e ainda fazer palanque eleitoral em cima das desgraças e necessidades de quem os paga.

    Será que ninguém nunca imaginou que isso poderia acontecer nesses “pontos críticos”?

    Não tomaram providências antes de acontecer. Deixaram lá, esperando uma situação dessas para tirarem proveito.

  2. O gato do procurador

    9 de maio de 2009 - 19:56 - 19:56
    Reply

    Meu Caro Hiroshi;
    Se fosse só as pontes seria uma beleza, acontece que ao longo de todo o percurso das estradas 275 e 150 entre Marabá e Parauapebas está completamente danificado, bueiros, buracos, pontes e desvios e estado de calamidade.
    O que mais espanta que a única obra do governo do estado são as placas espalhadas por todos os lados anunciando a recuperação da rodovia, o anuncio ainda é do ano passado.
    Ainda onte a Governadora percorreu um pequeno trecho entre Parauapebas e Curionopolis e espero que o situação tenha lhe comovido.
    Quando ainda Senadora da republica em viagem de Parauaepbas a Marabá as criticas que a Senadora fazia do atual governo era as mais duras, um das criticas era que não faziam porque não queria, pois grana tinha. E agora Governadora, acabou a grana?
    Em tempo:
    O gorverno do estado deveria fazer um grande esforço com a participação da Vale para recuperar toda estrada, tendo em vista que a principal usuaria é a Vale com seus equipamento grande e acima do peso permitido.
    Beijos

  3. Anonymous

    9 de maio de 2009 - 17:21 - 17:21
    Reply

    VALDIR GANZER MEU FILHO PARA DE FAZER A GENTE DE IDIOTA. VAI TRABALHAR QUE VC MEU AMIGO ESTA ATRAPALHANDO A MULHER. ATÉ PARECE QUE JOGA NO OUTRO TIME.

    ESTE PROBLEMA É DE CONHECIMENTO DE QUALQUER FISCAL DE OBRAS OU ENGENHEIRO DA SETRAN.

    QUERER PROMOVER O CAOS E DEPOIS ESCOLHER UMA EMPRESA SEM LICITAÇÃO EM CASO DE EMERGENCIA.

    CONTA OUTRA…

  4. Anonymous

    9 de maio de 2009 - 15:25 - 15:25
    Reply

    Desculpe, mas não pude resistir em enviar essa noticia que saiu na folha de São Paulo.
    Esse Judiciário nosso está bem mais podre que o Congresso Nacional que todos batem todos os dias, a diferença é que Deputados e Senadores podemos trocar a cada 4 anos,já esses Principes Barnabés, os escolhidos com dedos sujos como o Gilmar Dantas, quem tem o poder de tira-los?, e esses ai nesse coluio da imoralidade quem os punirá? é triste mas estamos em plena ditadura corrupta do Judiciário. Se delicie com a matéria:

    Febraban paga encontro de juízes em resort na Bahia

    CLAUDIA ROLLI
    da Folha de S.Paulo
    SILVIO NAVARRO
    do Painel

    Um grupo formado por 42 juízes do trabalho e ministros do TST (Tribunal Superior do Trabalho) teve passagens, hospedagem e refeições pagas pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos) para participar de um congresso promovido pela entidade em um resort cinco estrelas na Praia do Forte (BA), durante o feriado prolongado de 21 de abril.

    É o 16º ano que o evento é realizado no país, com o objetivo de discutir temas relacionados a questões trabalhistas, segundo a federação dos bancos.

    A maior parte dos dez ministros do TST que estiveram no congresso, dos presidentes ou representantes de TRTs (Tribunais Regionais do Trabalho) de várias regiões do país, entre eles o de São Paulo, e dos juízes que participaram do evento foram acompanhados por suas mulheres ou maridos, a exemplo de anos anteriores.

    A diária de um apartamento standard para um casal no Tivoli Ecoresort Praia do Forte, onde ocorreu o evento deste ano, custa R$ 798, disseram funcionários do hotel. Cerca de 200 dos 293 apartamentos do hotel foram reservados para o “16º Ciclo de Estudos de Direito do Trabalho” da Febraban. Nesse caso, a diária pode ser reduzida para cerca de R$ 600, segundo a Folha apurou.

    O evento não é aberto ao público e envolveu outras 62 pessoas, entre advogados, professores e juristas, além dos 42 magistrados. Com os acompanhantes, o número total de pessoas no evento foi de 170.

    Juízes que já estiveram no congresso em anos anteriores relataram à Folha que os debates são feitos na parte da manhã e que as tardes são livres.

    “Convidamos os juízes para trabalhar quatro dias em um feriado em que estariam de folga com suas famílias. Houve trabalho todos os dias. É justo que levem seus familiares”, disse Magnus Apostólico, superintendente de Relações do Trabalho da Febraban.

    A programação começou no sábado, no dia 18 de abril, com a abertura do evento às 18h30, feita pelo vice-presidente do TST, ministro João Oreste Dalazen, e palestras até as 21h, segundo informou a Febraban. O corregedor do TST, ministro Carlos Alberto Reis de Paula, também participou.

    Nos dias 19 e 20, as atividades aconteceram das 8h30 até as 13h30. O tempo restante foi livre. No dia 21, data de encerramento, os debates e palestras aconteceram das 8h30 até as 11h30. “Foi uma carga pesada”, disse o superintendente.

    À Folha o TST disse que a decisão de participar do evento depende de cada juiz.

    O TRT-SP afirmou, também por meio de sua assessoria, que a participação de magistrados em congressos e ciclos de estudos é necessária “para o melhor desempenho da atividade jurisdicional” e que “não houve discussões sobre processos ou mesmo sobre empresas e temas que pudessem suscitar comprometimento à independência dos juízes”. Cinco representantes de São Paulo participaram do encontro.

    Proximidade

    Segundo a Febraban, o evento é “autossustentável”. Isso porque as 60 pessoas que se inscreveram para participar do congresso –entre advogados trabalhistas dos bancos e funcionários ligados às áreas de recursos humanos e relações trabalhistas das instituições financeiras– pagaram R$ 11 mil para participar dos quatro dias de debates. O pacote incluía um acompanhante.

    “A receita das inscrições deve cobrir o custo total do evento, que ainda não está fechado. Os juízes vieram como convidados e não receberam por isso. Foram pagas as passagens, as estadias e as refeições. O evento é autossustentável porque foi custeado pelos recursos pagos pelos 60 inscritos”, diz o superintendente da Febraban.

    A Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho) não comentou a participação de ministros, desembargadores e juízes no evento.

    Magistrados que já estiveram no encontro em anos anteriores -e que preferiram não ser identificados- disseram à Folha que ficaram preocupados com a proximidade com os advogados dos bancos e com a possibilidade de o pagamento de despesas poder ser considerado remuneração indireta, o que é proibido. Alguns também questionaram o fato de somente a cúpula da Justiça trabalhista ser convidada.

    Na opinião desses juízes consultados pela Folha, se o objetivo do congresso é discutir temas trabalhistas, o evento deveria ser aberto inclusive para juízes da primeira instância.

    O setor bancário é considerado um dos campeões de reclamações trabalhistas no país, segundo ranking feito durante anos pelo próprio TST.

    “O evento é essencialmente técnico. Os ministros e juízes jamais são questionados sobre decisões que tomam ou estão em julgamento. Até porque se fizéssemos isso, eles não participariam mais”, disse o representante da Febraban. “Os advogados que vão ao evento sabem que não podem fazer esses questionamentos. Os temas debatidos são teses jurídico-trabalhistas.”

    No ciclo de estudos deste ano foram discutidos, entre outros temas, o projeto de lei que regulamenta a terceirização no Brasil e as demissões feitas durante os reflexos da crise econômica mundial no Brasil, segundo informa a Febraban.

    “Se fôssemos pensar que um ministro do TST pode se comprometer num final de semana em que ele vai trabalhar, então estaríamos completamente perdidos. Há uma história de 16 anos de realização desses eventos. Todo ano, após o congresso, é publicado um livro com todas as palestras, os debates e os questionamentos feitos por cada participante”, disse Apostólico.

Leave a Reply to Anonymous

Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *