Hiroshi Bogéa On line

Duda Mendonça já voltou pra Bahia

 

Nos planos dele, era para passar apenas cinco dias no hotel, em Belém.

Não deu. As demandas foram maiores do que supunha, incialmente. E foi ficando.

No sábado, último debate do plebiscito, o marqueteiro completava vinte dias de permanência na capital, dentro de um AP de hotél,  coordenando o marketing do Sim.

Na madrugada de domingo, Duda Mendonça partiu de vez.

Fez o que pode.

E não quis ficar para aguardar o resultado do plebiscito.

É provável que o publicitário siga esta semana para a Europa.

Post de 

29 Comentários

  1. Vera

    19 de dezembro de 2011 - 16:17 - 16:17
    Reply

    Acho que em qqr profissão isso acontece, é impossível acertar sempre. Querendo ou não ele continuar sendo um dos mais importentes marqueteiro do país. Vocês viram a entrevista que ele deu pra C&E Brasil? Está bem interessante. não só a dele. Vale a pena dar uma lida. http://asp-br.secure-zone.net/v2/indexPop.jsp?id=3163/3379/3022&lng=pt_br

  2. sergio cunha

    13 de dezembro de 2011 - 15:00 - 15:00
    Reply

    E impressionante como as pessoas são manipulaveis tenha acessado varios blogs e site tanto da capital como das demais regiões do nossos estado durante a campanha plebiscitaria,uma hora essas se dizem paraense esquecidos outra horas não se consideram cidadãos desse estado.tentam culpa os moradores de BELÉM que aliais muitos vieram dessas regiões.o certo tem deveria atender primeiros anseios de vocês(população )seria os politicos que voces mesmo ajudaram a ser elege, que estão nas PREFEITURAS na ALEPA os deputados são maioria são das regiões de voces ,a eles que devem pedir saneamento basico,saude educação etc.
    Agora uma coisa voces podem ter certeza

  3. Virgílio Ribeiro

    10 de dezembro de 2011 - 08:56 - 8:56
    Reply

    Quanta besteira temos que ouvir e ler, mas isso é normal entre prepotentes, como é essa “elite” de Belem, ainda bem que independente do plebicito se vavorável ao sim, nosso desenvolvimento nada depende deles, porque se dependesse estariamos morando em palafitas e em situação degradante como vivem os paraenses da periferia da capital do tão decantado “grande Pará”.

  4. Antonio Tadeu

    6 de dezembro de 2011 - 22:19 - 22:19
    Reply

    Pedro Paulo da Velha Marabá no que disse às 8 : 6, revela pura ignorância sobre o plesbiscito. Primeiro, a divisão em discussão é do Estado. Segundo, é a 1ª vez que se opína sobre divisão pelo voto popular. Em Tocantins e Mato Grosso a divisão foi cordial e consensual entre emancipados e emancipandos e o Governo Federal pagou a conta para estruturar as novas unidades, o que agora é vedado em Lei. Assim, sua afirmação de que “só votaram os interessados”, é pura ignorancia sua. Se informe melhor prá não dar uma mancada dessas, cara.

  5. Jorge Taiguara

    6 de dezembro de 2011 - 21:49 - 21:49
    Reply

    Pobre Duda Mendonça!
    Trabalhou tanto de graça, gente vamos fazer uma coleta pra comprar ao menos uma cesta basica pra ele, afinal ele trabalhou.
    Todo trabalhador é digno de um slário, não acho justo ele trabalhar e não receber.
    Pedro Paulo triste do povo que não tem cultura, não tem tradições, não tem história, esse povo está fadado a ser a qualquer tempo dizimado por falta de identidade, nós paraenses, entre outras coisas defendemos nosso chão, nossas tradições, nossa cultura, nossos habitos usos e costumes.
    Não nos renderemos a imposição de culturas outras, que venham suplantar o que nos identifica como amazonidas.
    Se os que aqui vieram e foram acolhidos, que diga-se de passagem não são a maioria, e hoje se arvoram a desqualificar nosso povo tenho uma sugestão, voltem para seus lugares. Que aliás de la nunca deveriam ter saído.

  6. Carlos Batista

    6 de dezembro de 2011 - 16:47 - 16:47
    Reply

    Nao acho que o Duda ajudou muito, ficou a impressao que deveria ter sido melhor a campanha, faltou escancarar mais as diferenças ou ausencias estruturais da capital e das regioes emancipandas, alem das diferenças culturais, como o Pedro Paulo ja disse aqui.
    Para mim infelizmente nao vai ser dessa vez que conseguiremos a nossa independencia da grande usurpadora metrople elitista e centralizadora, por um simples motivo: eles sao maioria e sao egoistas a tal ponto que nao consegue enxergar que a divisao seria o melhor pra eles tambem.
    Ainda assim voto 77 SIM para Carajas e Tapajos

  7. Daniel Flores

    6 de dezembro de 2011 - 16:25 - 16:25
    Reply

    Quanta ignorância, meu Deus!
    Alguém já procurou saber os detalhes do contrato do Duda com a Frente do SIM?
    Se era para ficar cinco dias e ele ficou mais de vinte, é claro que não está fugindo de nada.
    Ó santa ignorância!

  8. Anti-Tribunal

    6 de dezembro de 2011 - 16:09 - 16:09
    Reply

    Quem é que áinda acredita na divisão do Pará, se o próprio marqueteiro da campanha do SIM, creio, depois de ter visto os números das pesquisas que eles encomenderam, deu no pé?

  9. Anônimo

    6 de dezembro de 2011 - 15:36 - 15:36
    Reply

    Estádio, shopping… HAHAHAHAAHAHAHAHAH… Também temos barraca de cachorro quente, banheiros químicos, bancos (acredite se quiser), somos uma megalópole.

  10. Toro Sentado

    6 de dezembro de 2011 - 10:12 - 10:12
    Reply

    “Baiano Burro Nasce Morto .

    (…)

    Pau que nasce torto
    Não tem jeito morre torto
    Baiano burro garanto que nasce morto

    Oi Mais o pau que nasce torto
    Não tem jeito morre torto
    Baiano burro garanto que nasce morto

    Sou da Bahia comigo não tem horário
    Não sou otário e você pode zombar
    Sou cabra macho, sou baiano toda hora
    Meio dia, duas horas, quatro e meia o que é que há
    CABEÇA GRANDE é sinal de inteligência
    Eu agradeço a providência ter nascido lá”

    (…)

    Agradeço ao PARÁ ter nascido AQUI!
    indio cara pálida, NÃO e NÃO e NÃO quer mais apito, NEM separação.

  11. fávaro

    6 de dezembro de 2011 - 09:25 - 9:25
    Reply

    Analisar uma cidade por shopping e estádio de futebol é o máximo! Rsrsrsrsr. Foi a coisa mais hilária que já vi nesse blog. Quanto às escolas, estradas, hospitais e segurança pública? Deixa pra lá!!.
    Vou tentar ser tão descerebrado como o jovem ai de cima. Belém não tem metrô ou trem, não tem burger king, não tem outback… Quanta asneira! Foi ter um shopping de verdade há pouco mais de 2 anos. Vote 77, por direito ao ensino superior, segurança pública, ações que minimizem os problemas da saúde pública. Só sei de uma coisa: Pior do que tá não fica!!

  12. André Oliveira

    6 de dezembro de 2011 - 09:00 - 9:00
    Reply

    Prezado Pedro Paulo,

    Marabá e Parauapebas são cidades com economia pujante (Marabá tem um estádio de futebol em construção, viaduto, shopping, etc; em Parauapebas, todos os alunos da rede pública de ensino tem computador na escola); esse discurso de que somos vítimas da miséria da capital não cola, não. Arranje outro argumento, por favor.

    Voto 55 e 55.

    P.S.: Não sabes quem foi Tocqueville!? Que pena para ti.

  13. sssss

    6 de dezembro de 2011 - 08:36 - 8:36
    Reply

    É pelo visto, o Dudinha Mendonça, de besta não tem nada, já foi embora de malas e cuias dançar axé, porque carimbó e brega ele trançou as pernas e caiu. Ele não é nada burro, sabe que vai perder!!!!

  14. DUDA MENDONÇA

    6 de dezembro de 2011 - 08:25 - 8:25
    Reply

    Raimundão o Duda esta tão preocupado com voce que vai deixar de comer caviar e ir para Europa neste fim de ano.

  15. PEDRO PAULO VELHA MARABA

    6 de dezembro de 2011 - 08:06 - 8:06
    Reply

    TOCQUEVILLE!
    Só pelo seu nome não da para deduzir nada sobre voce ne?
    Todos os municipios do Brasil quando emanciparam de suas cidades, apenas as areas distritais votaram. Sabia disso? Nós somos millhares de pessoas interessadas em nos separar da Corja que sempre administrou o PARÁ. Se nem mesmo nossos irmãos de Belem nao tem infra estrutura e serviços basicos, imagina os do interior? Imagina os da periferia? Imagina os mais pobres? Tudo de pior que você possa ter imaginado é que somos separatistas! Por isso você com este nome lindo deve nos ajudar e não ficar contra nós! Vote 77, VOTE SIM!

  16. Tocqueville

    6 de dezembro de 2011 - 00:19 - 0:19
    Reply

    Pedro Paulo,

    Estamos numa democracia e a vontade da maioria deve prevalecer. E não esqueça que os separatistas foram ao STF pedir para que somente as regiões interessadas no desmembramento votassem. No entanto, o STF disse não.

    Ou seja, os separatistas queriam excluir da votação mais de três milhões de eleitores, agora sabemos bem porque motivo, não é mesmo?

  17. Raimundão

    5 de dezembro de 2011 - 20:27 - 20:27
    Reply

    Duda Mendonça, ja vai tarde, não devia nem ter vindo.
    Sai prá lá sePARASITA.

  18. PEDRO PAULO VELHA

    5 de dezembro de 2011 - 18:53 - 18:53
    Reply

    Nossa, ja estão mudando até o que eu disse. Eu não disse que desconheço, disse que a maioria não conhece. A proposito Polenta é um prato italiano, que vai fubá e carne, os brasileiros conhecem apenas o ANGÚ, ou seja o fubá agua e sal. Passar miséria, é o que mais o povo separatista passa. Já pensou o que é sair de MARABÁ e viajar até Teresina para tratar-se pelo SUS? Já pensou em ter as estradas do Sul do PARÁ? E o TAPAJOS e suas estradas? VOTE 77 É HORA DE MUDAR!

  19. Zé das Quantas

    5 de dezembro de 2011 - 18:02 - 18:02
    Reply

    “MANISOBA”, que os paraenses conhecem como MANIÇOBA (sic), é um dos pratos da culinária brasileira, de origem indígena.

    CHIBÉ, nossa marca registrada – é uma espécie de pirão de farinha com água, muito conhecida e apreciada pelos moradores da região Norte, exclusivamente os mais pobres, excluídos. Data do descobrimento do Brasil(culinária indígena).

    A grande diferença em relação à POLENTA é que esta, é apreciada pelos BRANCOS, ricos, fazendeiros. É à base de milho.

    Como nortista, paraense e muito pobre, precisei muitas vezes recorrer ao CHIBÉ para NÃO morrer de fome, NÃO roubar, NÃO ser corrupto, NÃO sair do meu estado; NÃO saber escrever, etc.

  20. Lucas

    5 de dezembro de 2011 - 17:34 - 17:34
    Reply

    o “Jajá” das 12:39 hs. colocou muito bem! Se o SIM perder pro não deveremos unir forças Tapajós e Carajas, pressionar os Deputados e o cara de Pau do Jatene para que mude a Capital para o interior do Estado, ai quero ver o povo do Não saber o que passamos aqui. Das duas uma: ou Divide o Estado ou muda a Sede da Capital para o interior!!!

  21. Anti-Tribunal

    5 de dezembro de 2011 - 17:32 - 17:32
    Reply

    Pedro Paulo, a cultura é diferente em todo esse imenso e varonil Brasil, do sul ao norte, do leste a oeste. Tua argumentação é fraca. Por ela então cada estado seria um país?!

  22. PEDRO PAULO VELHA MARABA

    5 de dezembro de 2011 - 16:31 - 16:31
    Reply

    Hirosh!
    Desde o primeiro momento que começou a campanha, observei sua postura, dizendo que era neutra, mais pelas suas colocações observei que sempre foi pelo voto no 55.
    Tenho profundo pesar por saber que ainda existem pessoas em nossa cidade que são contra o progresso, contra a independência. Comparo este plebicito com o Brasil em relação a Portugal. É claro que na epoca que se fosse feito um plebicito e os portugueses fossem votar, o Brasil nunca teria sido independente, pelo mesmo motivo de hoje, eles seriam maioria, pois o Brasil era apenas uma Colonia. Hoje os paraenses natos e adotivos do interior são minoria na hora de votar. Porem saiba que ja somos separados. A cultura é diferente, até mesmo os habitos alimentares o são. Pergunte a qualquer morador do sul do PARÁ o que é TOMAR CHIBE, MANISOBA ETC, a maioria nao sabe e nem quer este habito alimentar, por isso e outras coisas ja somos diferentes. Meu avó veio de Belem, meu pai ja nasceu aqui, estudei em Brasilia, só passei 5 anos fora de Marabá. Não sou como os que defedem este Grande falido Pará. Sei que depois deste plebicito caso so NAO vença, vai ficar do jeito que muitos querem ou seja. PIOR.

  23. marina tocantins

    5 de dezembro de 2011 - 16:19 - 16:19
    Reply

    Eu gostaria que se a capital fosse para Santarém. Eu iria feliz da vida morar à beira do Tapajós.

  24. João Dias

    5 de dezembro de 2011 - 15:37 - 15:37
    Reply

    CORRENDO DA RINHA

    Ao participar de um vídeo, criado e dirigido pelo baiano Duda Mendonça contra a divisão da Bahia, Maria Bethânia assim se manifestou: “separar a Bahia seria como “separar irmão de irmão”. ” É como separar a corda do pau, calar para sempre o berimbau. Dividir a Bahia, é como separar Castro de Alves, Rui de Barbosa, Dorival de Caymmi, Caetano de Veloso, Gilberto de Gil, Glauber de Rocha, Jorge de Amado, Maria de Bethânia e Gal da voz”.

    PONTO&CONTRAPONTO

    Duda conhece a realidade do Sul da Pará. Tem uma fazenda em Xinguara, onde engorda cerca de 10 mil bois. “Quem é contra nunca visitou esse pedaço do Brasil”, diz ele. “O Pará tem mais de 1 milhão de pessoas que vivem com dois reais por dia; tem gente que para ter acesso a um hospital precisa viajar cinco dias de barco; em Carajás e Tapajós a presença do Estado é inexistente; a tal ponto que os políticos de Belém nem vêm mais aqui pedir votos”.

    Segundo ministério, Bahia tem 2,4 milhões de extremamente pobres.
    Nordeste é a região que concentra maioria de pessoas nessa condição

    De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome/IBGE, mais de 2,4 milhões de cidadãos vivem em situação de miséria na Bahia. Famílias que recebem no máximo R$ 70 por pessoa e gastam mensalmente com alimentação, higiene, saúde, educação e moradia sofrem com a falta de recursos para sobreviver com dignidade.

    Um exemplo dessa realidade é o de Dona Marileide, que mora em Feira de Santana, a 107km de Salvador, que ganha R$ 134 do Bolsa Família para sustentar dois filhos e dois netos. “Tem semana que não tem nada dentro de casa. Aí eu pego fiado no mercadinho e no outro mês eu pago”, relata a dona-de-casa.

    A Bahia é o estado com a maior quantidade de pessoas vivendo na miséria. O número chega a ser superior ao de regiões inteiras do país. São catorze milhões de habitantes no estado, segundo os dados do censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. A pesquisa do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome mostra que desse total, dois milhões e quatrocentos mil baianos vivem na miséria, ganhando até R$ 70 por mês, o que representa 17% da população.

    Fontes: G1 BRASIL (03/05/2011 18h38)

    Por um Brasil melhor, para todos os brasileiro!
    saudações marabaenses.
    João Dias
    Rio,05/12/2011

  25. Luis Sergio Anders Cavalcante

    5 de dezembro de 2011 - 15:12 - 15:12
    Reply

    Procedente e oportuna a colocação do “Jajá” das 12:39 hs., embora, eu, particularmente, continue a desejar pelo Carajás, pelo quê, continuarei a votar contra os Jatene e outros da vida. Caso aconteça essa “descentralização” os belemenses com certeza não irão gostar. Em 05.12.11, Marabá-PA.

  26. Junior

    5 de dezembro de 2011 - 14:49 - 14:49
    Reply

    É esta união que o NÃO coloca como forma de desenvolver o Estado? Chamar paraenses natos e adotivos de forasteiros e separatistas? Portanto, desçam do pedestal de Belém e venham para o interior sentir na pele o que é morar no nestes rincões. Deixem de ser arrogantes e egoístas com esta estória de ” Ninguém divide o Pará”, lembrem-se ao menos do nosso criador.

  27. A Força do SIM...

    5 de dezembro de 2011 - 13:26 - 13:26
    Reply

    Quem sempre deu a mão pra quem? o Pará para o povo do sul e sudeste?
    Pára, ô, sem noção…kkkkkkkkk
    SIM 77!!!
    Tá chegando a hora!

  28. André

    5 de dezembro de 2011 - 13:07 - 13:07
    Reply

    Choraaaaaaaa Dudinhaaaaa, choraaaaaaa separatistasss! já eraaaaaa, a derrota de vocês está próximaaaaaa!

    Essa música vou colocar em homangem a vocês:
    Chora!
    Não vou ligar
    Não vou ligar
    Chegou a hora
    Vais me pagar
    Pode chorar
    Pode chorar
    Mas chora!

    Chora!
    Não vou ligar
    Não vou ligar
    Chegou a hora
    Vais me pagar
    Pode chorar
    Pode chorar

    É, o teu castigo
    Brigou comigo
    Sem ter porquê
    Eu vou festejar
    Vou festejar
    O teu sofrer
    O teu penar

    Você pagou com traição
    A quem sempre
    Lhe deu a mão

    Você pagou com traição
    A quem sempre
    Lhe deu a mão!

  29. Jaja

    5 de dezembro de 2011 - 12:39 - 12:39
    Reply

    Vem ai a terceira via do plesbicito: com a vitoria do NÃO, todos estão pregando o lancamento de um projeto que terá como plano de governo, para a chamada união que o não prega, a transferência da capital para um ponto central (assim como Brasília) comum as áreas propostas para divisão. Na próxima eleição para o governo do estado,este projeto de transferência da Capital será condição sine qua nom para o apoio a reeleição ou outro candidato a governador qualquer.
    Agora, Belém irá também decidir se quer ou não permanecer como Capital.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *