Hiroshi Bogéa On line

Dormindo com Madeleine

Se já assisti em toda a minha vida a 30 capítulos de uma novela de TV, superei recordes. Nada contra, apenas o hábito de fazer outras coisas, no horário delas.
Tempo desses, ao ouvir uma voz conhecida de minha seleta galeria de ídolos cantando “Summer Wind” , fui correndo pra perto da televisão certificar-me se era Madeleine Peyroux. Sim, a sua voz faz parte da trilha de “Paraíso Tropical”.
Ontem à noite, peguei uma Coca Zero, dois sandubas de queijo e morri de felicidade curtindo a lindérrima Madeleine (monossilábica demais, por sinal!) bater papo com o Jô.
Tecnicamente, a voz de Peyroux está a anos-luz com seu jazz nova-iorquino e um toque de violão doce tanto quanto ela. Alguns a comparam a Billie Holiday. Nada a ver. Billie foi Billie. Inigualável.
Dormi feliz, confesso. Porque são essas coisas da alma que me trazem contentamento intimo. Liguei meu laptop e “apaguei” ouvindo Smile.
Pra relaxar a segunda-feira, clica em Madeleine Peyroux. Nós a merecemos!

Post de 

3 Comentários

  1. crisblog

    19 de setembro de 2007 - 13:59 - 13:59
    Reply

    Belo! “smile” pra você!

    Na Época da semana passada tem uma matéria sobre isso. Ela não gosta nada da comparação. Pudera! E nem precisa…que voz..só vem para somar!

    Beijinhos.

  2. Hiroshi Bogéa

    18 de setembro de 2007 - 17:50 - 17:50
    Reply

    Chico, entre as duas capas, me deslubro com “Half The Perfect World”. Gosto mais ainda de quem gosta de Madeleine. Costumo dizer a mim mesmo, em horas de reflexão-pijama, que a voz de Deus, se Ele a tem pra se ouvir, é igualzinho a de Madeleine: doce, divina, sedutora, demasiadamente céu.
    Obrigado pelo comentário: além de enriquecedor, traduz encanto por ela, Madeleine.
    Abraços.

  3. francisco rocha junior

    18 de setembro de 2007 - 15:57 - 15:57
    Reply

    Hiroshi, concordo plenamente: Billie é Billie e ponto final. Como Sarah, Ella e Nina Simone são o que são, sem comparações: únicas.
    Mas Madeleine é deslumbrante, encantadora, com um sotaque “ravissant”, quando canta em inglês, e uma voz rouca… não tem como resistir aos seus encantos.
    E ainda acrescento: as capas de seus CDs “Careless Love” e “Half The Perfect World” são simplesmente magnéticas…

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *