Dono da Copa

Publicado em 10 de junho de 2009

Enviada pelo amigo João Quaresma:

Olha o dono da copa!
Ricardo Teixeira faz pressão e ameaça sedes da Copa-2014

No primeiro evento oficial do comitê organizador da Copa do Mundo de 2014 após a escolha das 12 cidades-sedes, o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, pressionou os representantes dos municípios no Mundial. O dirigente deixou claro que quem não respeitar o calendário será excluído da Copa.
“A escolha não foi feita pela beleza das cidades. Quem não cumprir os prazos será substituído”, disse o cartola.
O discurso tem tom de cobrança diferente do anúncio das sedes do Mundial, em Nassau (Bahamas). Na ocasião, Teixeira nem quis comentar a possibilidade de trocar sedes. “Não falo sobre hipótese.”
A primeira tarefa das sedes será apresentar o projeto de viabilidade financeira até 31 de agosto. Várias cidades ainda não apresentaram esses dados, pois a Fifa não exigira até agora.
A maioria dos comitês locais terá de se apressar. Membros da própria confederação admitem que parte dos projetos ainda estava em fase inicial. E dados de consultoria internacional mostravam que quase nenhuma das cidades tinha o estudo de viabilidade do estádio pronto até a semana passada.
Para justificar a sua ameaça, Teixeira citou o exemplo de Maceió, que perdeu o prazo para entrega dos documentos da candidatura e não teve o seu nome enviado pela CBF à Fifa.
Pouco antes de elevar o tom, Teixeira disse que pretendia manter todas as cidades. Ontem, representantes de três cidades (Manaus, Fortaleza e Brasília) se reuniram com os integrantes do comitê organizador. Quarta-feira, São Paulo, cujo projeto foi criticado pela Fifa, apresenta sua proposta.
Depois de mostrarem a viabilidade de seus projetos, as sedes do Mundial têm até o final do ano para assinar os contratos para as reformas dos estádios. Até 25 de fevereiro, as obras já têm que começar e seu prazo para terminar é o final de 2012.
O governo federal também ensaia pressão sobre as 12 cidades. O ministro do Esporte, Orlando Silva Jr., vai exigir até setembro “a matriz de responsabilidade”, que estabelece a origem das verbas para as obras. Quer evitar que a União cubra gastos, como no Pan-2007.

Sérgio Rangel L
Folha de S.Paulo, no Rio de Janeiro