Hiroshi Bogéa On line

Dividir. Não dividir

 

No Diário do Pará:

 

Dividir para multiplicar, assim o deputado federal Giovanni Queiroz (PDT-PA) defende a ideia de divisão do estado do Pará para a criação dos estados de Carajás e do Tapajós. Coordenador-geral da Frente pela Criação do Estado do Carajás, o parlamentar argumenta que devido à extensão do Pará o poder público não consegue atender todas as demandas da população e a divisão melhoraria a gestão do estado.

Segundo Queiroz, se o Pará fosse um país, por exemplo, seria considerado o 14º maior do mundo. “A gente quer dividir para multiplicar. Em vez de ter apenas um gestor para um estado do tamanho do Pará, teremos três gestores. Facilita a gestão”, disse o deputado à Agência Brasil. Usando como exemplo a divisão do Mato Grosso para criação do Mato Grosso do Sul e a divisão de Goiás para criar o Tocantins, Queiroz acredita que a divisão do Pará seria um avanço.
————-

A divisão do Pará não resolverá os problemas do estado e ainda aprofundará as desigualdades. Essa é a avaliação do deputado federal Zenaldo Coutinho (PSDB-PA), um dos principais líderes do movimento contra a criação dos estados de Carajás e do Tapajós. Em vez de dividir, ele acredita que a melhor saída para desenvolver o estado é reivindicar da União maior repasse de recursos para recompensar a desoneração de vários tributos decorrentes das exportações.

No dia 11 de dezembro, os paraenses irão às urnas para decidir, por meio de plebiscito, se são favoráveis ou não à divisão do estado. Coutinho ressalta que apesar do grande tamanho, o Pará acaba limitado por causa das áreas de floresta e reservas indígenas, por exemplo. “Quando você aprofunda o olhar sobre o estado começa a identificar que muitas áreas são de reservas indígenas, reservas florestais, áreas de conservação, áreas militares e ainda a reserva legal por propriedade privada na ordem de 80%. Então, quando você termina esse levantamento, você já tem um estado muito menor para atividade econômica do que aquele olhar superficial”, disse à Agência Brasil.

 

Aqui e   Aqui.

Post de 

1 Comentário

  1. SIM CARAJÁS

    19 de outubro de 2011 - 11:16 - 11:16
    Reply

    A nossa unica chance e votar contra Tapajós, pois se as duas propostas forem aprovadas e o novo Pará ficar com apenas 17% do seu território original, o Estado de carajás não seria aprovado pelo congresso pois o Novo Pará ficaria inviável. Temos que fazer igual aconteceu no Mato-Grosso e Goias que foram divididos em dois e em igual proporcinalidade ai sim ficaria mais fácil para nós conserguimos nosso Estado e deixariamos o Pará com o Tapajós.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *