Hiroshi Bogéa On line

Devastando a floresta amazônica

 

 

Artigo de Lúcio Flávio Pinto  gentilmente enviado pelo jornalista para publicação no blog:

————————

 O devastador alemão

Lúcio Flávio Pinto

Em 1973 Wolfgang Sauer foi chamado para conversar com os executivos alemães da Volkswagen na sede alemã da empresa. Voltou como o chefe da maior fábrica de automóveis em funcionamento do hemisfério sul, instalada em São Paulo. O alemão de Stuttgart estava há 12 anos no Brasil. Chegou no ano traumático de 1961, marcado pela crise de poder desencadeada pela renúncia do presidente Jânio Quadros (o mais votado até então) e a reação militar à posse do vice-presidente, João Goulart.

Depois de 10 anos de peregrinação entre Portugal e a Venezuela, Sauer seria o diretor comercial da multinacional alemã Bosch. O novo posto era um salto: de fabricante de autopeças se tornaria montador de automóveis. A ambição de Sauer, porém, era muito maior: queria ser um dia presidente mundial da Volkswagen.

Ele divisou a oportunidade ainda em 1973, quando foi a Brasília conversar, a convite do então ministro do interior, Rangel Reis. O ministro lhe disse que o governo federal queria mudar a diretriz da ocupação da Amazônia. Desde o início da construção da Transamazônica, três anos antes, a ênfase era na colonização. Lavradores nordestinos, atingidos pela grande seca de 1970, eram levados para as margens da grande rodovia de penetração e assentados em lotes de 100 hectares.

Essa política, de objetivos sociais, não atendia mais à prioridade definida pelo terceiro governo militar desde o golpe de estado de 1964: tornar a Amazônia uma fonte de divisas para o país. Para isso, seria preciso atrair grandes investidores privados, nacionais e estrangeiros, para acelerar a ocupação territorial e a produção de mercadorias de aceitação e competitividade nacional e internacional. O empresário passaria a ser o parceiro preferencial do governo, não mais os colonos.

Não passou pela cabeça de Sauer instalar uma filial da Volks na selva amazônica. O que ele concebeu na hora foi um grande projeto de criação de gado e beneficiamento de carne. Com tecnologia de ponta e capital intensivo, o empreendimento podia alcançar escala econômica suficiente para vencer as distâncias dos grandes centros consumidores e superar as desvantagens de uma zona pioneira.

Conseguiu convencer os dirigentes alemães da Volks a embarcar numa aventura inteiramente nova em seus mais de 40 anos de história de sucesso: ao invés de continuar a lidar com veículos automotores, a Volks iria tratar de boi na jungle selvagem. Se os êxitos se repetissem, Wolfgang Sauer teria credenciais para se apresentar como pretendente ao topo da direção de uma das maiores multinacionais.

Tudo deu errado, como ele admite em seu recente livro de memórias, nada modestamente intitulado O homem Volkswagen – 50 anos de Brasil (Geração Editorial, São Paulo, 2012, 527 páginas). Mas parecia que tudo daria certo. A Volks comprou uma área de quase 140 mil hectares no sul do Pará, a pouca distância dos limites com Mato Grosso e o atual Tocantins. Laudos de dois institutos alemães atestavam a qualidade do solo e a aptidão para a pecuária.

Sauer reuniu sócios poderosos na indústria e na atividade financeira, brasileiros e estrangeiros – quase todos céticos sobre a iniciativa, mas confiantes no aval do executivo. Implantou a fazenda e, em seguida, o frigorífico. Colocou 60 mil cabeças de gado nos pastos, com exemplares de Nelore cruzados com outras raças europeias.

Quando o caminho já estava aberto e a produção em série, começaram as reações. Primeiro na Alemanha, por parte de ecologistas, com o forte apoio do Partido Verde. Depois em outras paragens do mundo e também no Brasil. A Volks estava destruindo a natureza e eliminando o oxigênio do planeta, impedindo a Amazônia de funcionar como pulmão do mundo. Toda a humanidade seria vítima dessa devastação.

Quando políticos e militantes alemães ameaçaram boicotar os carros da Volks, a direção da empresa se alarmou. Sauer foi chamado e recebeu a ordem de passar em frente o projeto amazônico. Tudo tão às pressas e sem uma checagem nos argumentos dos críticos que o comprador escolhido deu um tombo na poderosa indústria alemã: pagou apenas a primeira parcela da venda, retirou o gado e sumiu.

A Volks teve que encontrar outro dono. A partir de então a Fazenda Vale do Rio Cristalino se desfez. Por incompreensão ou má fé dos que a combateram. Talvez as duas coisas juntas. Mais um dos grandes projetos de ocupação e modernização da Amazônia, para colocá-la no mercado mundial, fracassou. Como, antes, a plantação de borracha de Henry Ford e de arroz de Daniel Ludwig.

Mas a história não é bem essa, ou não é só essa que Sauer conta. Ele não faz a menor referência à autuação que a fazenda sofreu do IBDF (Instituto Brasileiro do Desenvolvimento Florestal), antecessor do Ibama, três anos após o início do projeto. A Volks desmatou em 1976 sem pedir licença ao instituto, que só descobriu o fato quando uma imagem feita pelo satélite Skylab identificou uma queimada, a maior até então registrada documentalmente pelo homem. Espantados pela extensão do incêndio, os cientistas da Nasa enviaram a imagem para seus colegas do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), de São Paulo. A fotografia do satélite engendrou escândalo de dimensões internacionais.

A Volks se defendeu alegando que a Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia), ao aprovar seu projeto agropecuário, autorizara também a execução do que estava previsto, o que exigia o desmatamento. Logo, estava legal.

Mas o IBDF sustentou que a empresa precisava de uma autorização específica para fazer a derrubada. Sem essa licença, tinha que ser multada. A multa, incidindo sobre cada árvore queimada ou derrubada, chegava a valor superior ao do próprio empreendimento. Estabeleceu-se intensa celeuma. Ao final, a multa foi mantida, mas não foi aplicada. A Volks já estava saindo da área e retornando apenas ao que sabe fazer: veículos automotores.

Foi mesmo só incompreensão a causa desse final desastroso? Claro que não. A resposta estava na forma de encarar a região na qual a poderosa multinacional pretendia se estabelecer. Ao invés de investir contra a floresta, que dominava a paisagem, como o próprio Sauer admite nas suas memórias, devia se posicionar a favor da floresta.

Assim, não teria provocado o desastre ambiental de que foi acusada, com toda razão. É o que hoje faria um empreendedor consciente. Mas não naquela época, em que a palavra de ordem era desenvolvimento e não ecologia, se defende Sauer.

Não é a sua figura de visionário, além e acima do seu tempo, a imagem que o livro projeta, com sua capamade by Hans Donner, o mago do design da TV Globo, e o prefácio de Delfim Netto, o sacerdote tecnocrata do desenvolvimento daqueles idos? Talvez Wolfgang Sauer tenha sido visionário no polo industrial paulista, o maior do continente. Na selva amazônica ele foi um devastador.

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *