Hiroshi Bogéa On line

Desnudando a nudez

“Os policiais que estão na linha de frente do combate ao crime (todos os que não são delegados ou oficiais da PM), sabemos onde está o ‘rolex roubado’ do Luciano Huck –metáfora para o graal da segurança pública brasileira. Mas não vou trocar tiro com bandidos recebendo um salário base de R$ 568,29 ao mês (e agora sem o tícket alimentação de R$ 80,00 que nos foi retirado em agosto de 2007).
“Prefiro correr risco no bico para sustentar meus filhos. Se Huck não está feliz conosco, pode entrar para o movimento CANSEI e cobrar do governador Serra o motivo do PSDB ter tanta raiva da policia paulista e mantê-la na miséria há 14 anos. Eu queria fazer minha inscrição lá, mas será que aceitam um policial sem dinheiro?
Roger Franchini”

Texto acima é da carta enviada à Folha de São Paulo pelo policial Roger Franchini, em resposta ao artigo “Pensamentos quase Póstumos”, publicado no mesmo jornal dois dias antes, do apresentador Luciano Huck, assaltado nas ruas da capital paulista. O servidor público bate forte nos governos tucanos e vomita uma das razões que fazem a corrupção grassar no sistema de segurança pública: a mal remuneração.
Detalhe: Franchini pode ser demitido do serviço público pela coragem que teve de reagir ao faz-de-conta das administrações estaduais.

Post de 

3 Comentários

  1. Anonymous

    19 de maio de 2008 - 22:42 - 22:42
    Reply

    É uma pena que Redenção possa novamente ser entregue as moscas. E hora de mudar, chega de mesmice, o que passou já mostrou sua cara. e hora de dar a chance a outro candidato, e os passados é que vão caçar meio de trabalhar.
    Fora corja passada

  2. Hiroshi Bogéa

    10 de outubro de 2007 - 00:00 - 0:00
    Reply

    Anonimo 4:11 PM, não duvido desse procedimento. São inúmeras as denúncias contra a turma que está escalada em Tailândia. Fica o registro para o governo tomar providencias, e dizer que as tomou realmente.

  3. Anonymous

    9 de outubro de 2007 - 19:11 - 19:11
    Reply

    Horoshi,
    Com relação notícia vinculada hoje no Diário do Pará sobre denúncias de corrupção praticada por operadores da balança instalada na rodovia PA 150, em Tailândia, comenta-se no município que esses operadores estão cobrando da firma delta, trezentos reais por carrada de seixo e cem reais por carrada de areia para não ser pesados na balança,material usado na obra que estão fazendo de recuperação da estrada. Bom seria que a governadora sobesse disso e afastasse esses corruptos.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *