Desflorando a língua portuguesa

 

 É desconfortável, constrangedor  até, encontrar excessivos  erros de português  em blogs cujos autores, pela origem profissional propalada, deveriam zelar mais pela integridade das palavras.

Embora registrem boas audiências, há blogs  caracterizados mais pelas suas estripulias gramaticais. É caso mesmo de total desconhecimento da língua escrita, que para amenizar as bizarrices, só contratando revisores.

O  blog da Professora Edilza Fontes, há três dias,  cometeu  um desses distúrbios de linguagem de causar espanto aos menos exigentes defensores da formalidade  escrita.

Definhar a língua pátria num sítio tão acessado é um pecado de lesa confiabilidade.

Como todos sabem, professora professa algum conhecimento, ensina alguma ciência ou  atua como formadora de opinião. 

Professora não pode, jamais,  escrever a palavra intelectuais  da forma mais excêntrica como Edilza escreveu:  intelequituais.

Isso depõe contra os professores paraenses.

Ninguém é infalível na aplicabilidade da difícil compreensão da língua portuguesa, principalmente sua escrita. O pôster mesmo, vez por outra, comete seus erros.

Mas é incompreensível aturar  aberrações. .

A liberdade total encontrada na blogosfera não nos permite, por causa desse vai e vem sem freio, subjugar a escrita pátria  ao estreito beco da  avacalhação.

 

NB- A cópia do post no qual a palavra intelectual é estuprada pela nobre professora foi salva no mesmo dia em que o erro foi constatado. Hoje, se o leitor acessá-lo, a escrita da palavra está correta. Alguém deve ter alertado a titular do blog.