Hiroshi Bogéa On line

Depois de encontrados corpos do professor universitário e da esposa, algumas perguntas necessitam de respostas.

Matéria extraída de O liberal:

 

Na tarde desta quinta-feira (27) o professor universitário Nielson Ribeiro e sua esposa Chen Mei Yin foram achados mortos em uma região em Goianésia do Pará, no sudeste paraense.

O IML de Tucuruí foi acionado para a região para trabalhar na remoção dos corpos.

O veículo capotou, e ambos podem ter morrido em decorrência do acidente, mas a a Polícia Civil ainda investiga o caso.

O núcleo avançado do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves em Tucuruí foi acionado para remover os corpos e se desloca para a região.

Em nota, a Polícia Civil do Pará informou que o carro do casal desaparecido foi encontrado por volta das 12h, no trecho do KM 15 da PA-263, entre os municípios de Breu Branco e Goianésia do Pará.

O veículo foi localizado por meio de reconhecimento aéreo feito pela aeronave do Grupamento Aéreo de Segurança Pública – GRAESP.

Os corpos das vítimas  foram encontrados logo em seguida. “As equipes da Polícia Civil já estão no local realizando diligências para apurar o caso.

O Centro de Perícias Científicas Renato Chaves também já foi acionado”, disse o comunicado da Polícia.

O caso

O professor Nielson da Paixão Ribeiro e a sua esposa, a auxiliar administrativa de origem chinesa Chen Mei Yin, estavam sendo procurados pela família desde o último dia 23, depois de fazerem a travessia do Rio Xingu em uma balsa.

O último contato com a família foi feito em um trecho entre Novo Repartimento e Marabá, e desde então, ambos seguiam com paradeiro desconhecido.

O casal estava junto há quatro anos, após se conhecerem no Rio de Janeiro, onde a chinesa naturalizada brasileira morava desde a infância.

Chen Mei era funcionária da State Grid Corporation, empresa de energia da China que atua em Belo Monte e, por isso, o casal tem uma casa em Altamira, mas também possuem residência em Belém, onde Nielson lecionava no Instituto de Tecnologia (ITEC) da UFPA.

Ele também era coordenador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química da instituição.

———————–

 

Nota do Blog: alguns questionamentos necessários.

1- Desde quando o casal desapareceu, informa-se que último contato de Nielson e  Mei Yin ocorreu entre Novo Repartimento e Marabá.  Como saíram de Altamira rumo a Belém,  o casal usava a rodovia BR-230 (Transamazônica) para cruzar o trecho.

2- Se viajavam pela BR-230 e o destino era Belém, o trajeto ideal, por ser o  mais curto, seria chegar em Novo Repartimento, deixar a BR-230 e seguir pela PA-422  até Tucuruí, numa distância de 70 km. E,  dali, usar a PA-263 até Goianésia (87 Km) , já na PA-150, seguindo à esquerda rumo a  Belém. Portanto, qual necessidade de seguir sentido Marabá depois  que chegaram a Novo Repartimento, caso realmente seja verdadeira a versão de que o último contato do casal foi entre esta cidade e Marabá?

3- Como o corpo foi encontrado no KM 15 da Pa-263 (logo depois que saíram de Breu Branco ou já chegando na PA-150, considerado o KM 15 citado ?) é preciso esclarecer:

 

3.A) O  casal chegou a prosseguir pela BR-230 rumo a Marabá, depois que cruzou Novo Repaertimento?

3.B) Há mesmo veracidade na versão inicial de que o último contato ocorreu naquele trecho?

3.C)  E,  finalmente,  se é verdadeira a versão de que o casal continuou pela BR-230 seguindo em direção a Marabá,  o que levou os dois a serem encontrados na PA-263, dentro de um carro capotado? Decidiram retornar a BR-230,, pegar a bifurcação desta rodovia federal com a PA-422 em Novo Repartimento,  rumo a Tucuruí ? ( em verdade,  a rota mais sugestiva, caso não tivessem nada a fazer em Marabá?

Todos esses questionamentos são necessários, considerando a versão inicial de que  Nielson Ribeiro e sua esposa Chen Mei Yin mantiveram último contato na BR-230,  entre Novo Repartimento e Marabá.

Post de 

1 Comentário

  1. Claudemir

    28 de agosto de 2020 - 11:43 - 11:43
    Reply

    Realmente a nota do blog tem tudo a ver. Se eles não tinham nada a fazer aqui em Marabá, a melhor rota seria por Tucuruí.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *