Depois da queda, o coice.

 

A nomeação do agrônomo Celso Lacerda, paulista de Tupã,  para ocupar a presidência do Incra, não impõe apenas derrota ao PT paraense que brigava, em Brasília, para emplacar Cassio Pereira. O novo dirigente recebeu recomendação expressa de Dilma Roussef para modernizar a estrutura administrativa do instituto.

Há, inclusive, circulando entre alguns técnicos do Incra, minuta de texto explicitando detalhes de algumas mexidas, entre elas, a necessidade de manter sob total controle as superintendências regionais da instituição.

É provável que os futuros superintendentes não sejam mais nomeados por indicação política.

O próprio Lacerda, em sua primeira entrevista, assegurou ter recebido missão da Presidência da República para mudar tudo dentro do Incra, transformando-o em órgão eficiente voltado a liderar um dos programas de combate à miséria.

 Se isto ocorrer, a farra de distribuição sem critérios de recursos para a Reforma Agrária,  chegou ao fim.